fbpx
Pular para o conteúdo
  • Home
  • Divinópolis
  • Prefeitura de Divinópolis nega transferência de paciente falecida

Prefeitura de Divinópolis nega transferência de paciente falecida

Image

A nota inicia com uma manifestação de solidariedade em relação à perda e afirma que a paciente em questão teve total assistência multiprofissional durante o tempo que ficou na UPA 24h – Padre Roberto Cordeiro Martins, não tendo sido negligenciado nenhum tipo de atendimento ou realização de procedimentos cabíveis dentro da complexidade e disponibilidade de recursos que a unidade oferece.

A nota segue com as informações semelhantes do IBRAPP sobre cadastramento SUSFACIL para transferência hospitalar, e reafirmando que a regulação de internação hospitalar para os casos oriundos da Rede de Urgência e Emergência é de responsabilidade da Secretaria Estadual de Saúde. Ou seja, o município de Divinópolis não tem governabilidade para franquear o acesso dos pacientes aos leitos hospitalares.

Em nota a prefeitura afirma que a “paciente foi transferida em estado grave no dia 18 de março de 2024, pela Unidade de Suporte Avançado do SAMU e foi admitida no hospital de referência, falecendo pouco tempo depois de ser admitida”.

Admite-se que a falta de leitos hospitalares é um problema crônico e grave, que precisa ser urgentemente resolvido, para que unidades pré-hospitalares como a UPA não permaneçam com pacientes aguardando internação por dias. “No entanto, a acusação feita é absolutamente descabida e desprovida de verdade, posto que tal expediente demandaria um concurso de instituições e atores (Prefeitura , Ibrapp, SAMU e hospital) dispostos a adotar condutas reprováveis e criminosas e isso, em absoluto, não encontra eco em nenhuma das instituições envolvidas no atendimento da paciente”, descreve a nota.

“No entanto, a acusação feita é absolutamente descabida e desprovida de verdade, posto que tal expediente demandaria um concurso de instituições e atores (Prefeitura , Ibrapp, SAMU e hospital) dispostos a adotar condutas reprováveis e criminosas e isso, em absoluto, não encontra eco em nenhuma das instituições envolvidas no atendimento da paciente”, descreve a nota.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

0
Would love your thoughts, please comment.x