É pior do que se possa imagina! Cruzeiro tem mais débitos com a FIFA e pode sofrer sanções mais pesadas

Postado em 20/05/2020 12:41

Condenado pela Fifa com a perda de seis pontos na série B do Brasileiro o Cruzeiro ainda terá mais uma ordem de pagamento a cumprir em maio: trata-se da compra do atacante Willian, ainda em 2014, vindo do futebol ucraniano. O pagamento precisa ser feito até o dia 29. É só um da extensa lista de casos que o clube acumula na Fifa. São dívidas pela contratação de jogadores, em negociações internacionais, proteladas desde 2014. Para piorar, a pandemia ainda acarretou uma queda drástica de receitas do clube, que acumula atrasos no pagamento de salários.

Desde 2014, ano que marcou o bicampeonato brasileiro, o Cruzeiro realizou compras fora do país e, na maioria dos casos, não quitou os acordos realizados. A dívida pela compra do atacante Willian, cobrada pelo Zorya Luhansk, é de 1.462.500 euros (cotação hoje em R$ 9 milhões aproximadamente). O caso envolve falência do clube ucraniano e até falsificação de documentos.

Mais duas ordens de pagamento são aguardadas para o segundo semestre: da compra do zagueiro Kunty Caicedo, do Independiente del Valle, e do meia Arrascaeta, do Defensor. O defensor foi contratado em 2016, enquanto o meia chegou em 2015. Ambos já estão fora do clube. O Cruzeiro divulgou um balanço dos valores que seriam discutidos na Fifa nos próximos meses.

No fim de janeiro, o Cruzeiro revelou que precisaria quitar, entre este ano e 2022, R$ 52 milhões em débitos desses processos. Para azar do clube, com a valorização de moedas estrangeiras frente ao real, essa dívida supera os R$ 81 milhões, dos quais R$ 36,6 precisam ser pagos ainda no primeiro semestre, R$ 43,7 milhões no segundo semestre e R$ 1,1 milhão em 2021. A dívida total teve um aumento em torno de 55% em relação ao que foi divulgado em janeiro.

A situação preocupa ainda mais por causa da drástica queda de receitas no clube, que perdeu com arrecadação em relação aos associados e também com contratos de patrocinadores suspensos.

“Estamos vivendo um momento de exceção, em que o mundo está sofrendo com as consequências desta crise com o Coronavírus. Todos sabem da falta de recursos do Cruzeiro, e o clube teve suas receitas ainda mais comprometidas pela situação de pandemia” – explicou Sandro Gonzalez, CEO do clube, sobre o momento vivido.

O débito de Willian é o único referente a uma transação de 2014. Das negociações realizadas em 2015, além de Arrascaeta, o Cruzeiro também discute com o Morelia, do México, uma cobrança de 1,15 milhão de dólares aproximadamente pela compra do atacante Riascos.

O ano de 2016 ainda traz débitos referentes às compras dos atacantes Rafael Sobis, vindo do Tigres, que discute o pagamento de 3 milhões de dólares em ações desmembradas, e de Ramón Ábila, vindo do Huracán. No caso do atacante argentino, o clube mineiro recebeu o perdão da dívida do clube de Buenos Aires, mas ainda enfrenta uma cobrança do Instituto de Córdoba, que busca receber valores do mecanismo de solidariedade.

Daquele ano, o Cruzeiro ainda discute o pagamento de débitos com o técnico português Paulo Bento e sua comissão técnica, em dívida que já supera R$ 1 milhão. Em 2017,  o caso discutido do Cruzeiro é referente à vinda de Thiago Neves. Nela, o Cruzeiro ingressou solidariamente em relação à discussão da quebra de contrato entre o jogador e o Al Jazira, que cobrava 9 milhões de euros pela quebra de contrato.

No ano passado, o clube conseguiu encerrar dois casos discutidos na Fifa. O primeiro foi do atacante Gonzalo Latorre, que veio como contrapeso na contratação de Arrascaeta.  Foram pagos R$ 18,5 milhões ao Atenas, do Uruguai. Também encerrou a discussão da compra do meia Pisano ao negociar o volante Lucas Romero com o Independiente. Todas essas contratações foram realizadas ainda na gestão de Gilvan de Pinho Tavares, que presidiu o clube até o fim de 2017.

A gestão de Wagner Pires de Sá não quitou os débitos já existentes e acrescentou mais um à lista. O novo caso é em relação ao atacante Pedro Rocha. O Spartak, da Rússia, discute o pagamento de R$ 4 milhões aproximadamente pelo empréstimo do jogador.

É o que teme o Cruzeiro. Dois casos preocupam a diretoria. O principal é do meia Rodriguinho, comprado do Pyramids, do Egito, ano passado. O débito atual é de R$ 39 milhões. O Clube mineiro já foi notificado pelo clube egípcio, e o caso deverá ser discutido na Fifa.

Outro que pode chegar à esfera da Fifa é do lateral Dodô. O clube mineiro acertou contrato, se responsabilizando em pagar 300 mil euros à Sampdoria, da Itália, caso o jogador brasileiro fizesse três partidas pelo Cruzeiro no Brasileiro ou o clube alcançasse 15 pontos na competição. A situação foi atingida, mas o acordo não foi cumprido pela Raposa. O Clube italiano também já acionou a Fifa.

Veja também
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios
error: Este conteúdo é protegido!