Publicidade

Ministério da Saúde cancelou em agosto compra de medicamentos de intubação, o “kit intubação” já esta faltando no país

Postado em 20/03/2021 14:34

kit intubação

A piora nos indicadores da COVID-19 no Brasil reflete na crise de falta de leitos e que, consequentemente, causa uma crise com a falta de medicamentos para intubar pacientes, incluindo anestésicos e bloqueadores musculares. Mas um ofício do Conselho Nacional de Saúde (CNS) indica que, em agosto do ano passado, o Ministério da Saúde cancelou uma compra do chamado “kit intubação”.

recomendação de número 54 do CNS, publicada no dia 20 de agosto do ano passado, diz que: “Considerando que em 12 de agosto de 2020 a Operação Uruguai II, executada pelo Ministério da Saúde para aquisição de medicamentos do kit intubação foi cancelada, sem que seus motivos fossem esclarecidos.”
A operação citada pelo conselho seria executada pelo Ministério da Saúde para importar medicamentos do Uruguai. A Operação Uruguai I, por exemplo, garantiu a aquisição de 54.867 unidades de medicamentos usados no auxílio da intubação de pacientes em UTI, de acordo com dados da pasta federal. No entanto, a segunda viagem que buscaria mais insumos acabou sendo cancelada sem motivos.
 
O cenário atual já havia sido desenhado pelo CNS no ofício de agosto do ano passado. O órgão já desenhava uma situação de desabastecimento dos medicamentos, o que colocaria em risco o atendimento aos pacientes com quadro grave da COVID-19.
 
“Considerando que o desabastecimento desses medicamentos coloca em risco toda a estrutura planejada para o atendimento de saúde durante a pandemia do novo coronavírus, pois mesmo com leitos disponíveis, sem esses medicamentos não é possível realizar o procedimento, podendo levar todo o sistema de saúde ao colapso.”
 
Nesta semana, o Ministério da Saúde requisitou os estoques da indústria de medicamentos que compõem o “kit intubação”, incluindo anestésicos e bloqueadores musculares, para abastecer a rede do Sistema Único de Saúde (SUS) por 15 dias. Na Grande BH, por exemplo, o problema já é sentido nos hospitais, conforme descreveu a reportagem do Estado de Minas nesta sexta-feira.
 
O ex-presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cobrou uma investigação para averiguar o cancelamento da compra de medicamentos sem justificativa por parte do Ministério da Saúde.
 
“É muito grave a informação da “CNN”, mostrando que o governo cancelou a compra de medicamentos para intubação em plena pandemia, em agosto do ano passado. Apenas uma investigação séria para entender e atribuir responsabilidades”, publicou o parlamentar em uma rede social.
 
 
Fonte: Estado de Minas

Comente! *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Publicidade
Veja também
Publicidade
Publicidade
Publicidade
plataforma ead
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!