Publicidade

Descredenciamento de leitos neopediátricos exclusivos para tratamento da COVID-19 gera preocupação

Postado em 20/09/2020 13:50

O Complexo de Saúde São João de Deus solicitou à Secretaria de Estado de Saúde (SES/MG), o descredenciamento dos cinco leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) neopediátricos exclusivos para tratamento da COVID-19. O hospital alegou baixa demanda por internações e alto custo para manter o serviço.

A unidade também menciona o avanço do município para a onda verde do programa estadual Minas Consciente. Atualmente, ela conta com 15 leitos em geral, sendo seis neonatais e dois pediátricos pelo Sistema Único de Saúde (Sus) e outros dois para a saúde suplementar, além dos cinco de exclusividade para o estado e tratamento do novo coronavírus.

O Comitê Macrorregional de Enfrentamento ao Coronavírus estudará junto à Ses uma outra forma de custeio para que estes leitos não sejam descredenciados. Segundo a Superintendência Regional de Saúde (SRS), eles são os únicos com UTI pediátrica para atender os 53 municípios do território. Ainda segundo a Superintendência, não há outro prestador com condições de assumi-los.

A preocupação principal da regional é com o retorno às aulas. A SRS ainda destacou o caso de Síndrome Inflamatória Pediátrica (SIM-P) associada à COVID-19 registrada na região. O paciente é morador de Oliveira. A síndrome é quando a criança evolui de forma grave com insuficiência respiratória e cardíaca aguda, doença renal, e também apresenta sintomas semelhantes à doença de Kawasaki, como febre, manchas vermelhas na pele, conjuntivite, edema de pés e mãos.  O hospital é o único hoje com condições de receber pacientes que evoluem para esta síndrome. Com base neste cenário, o Comitê recomendou que o CSSJD permaneça com os cinco leitos de UTI pediátricos exclusivos para tratamento de pacientes com quadro clínico compatível com a doença. 

Desde o início da pandemia, Divinópolis registrou 27 casos confirmados do novo coronavírus em crianças de 0 até nove anos. Outros 46 pacientes tinham idade entre 10 e 19 anos. Dados da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) apontam que há quatro crianças internadas com COVID-19 na cidade, sendo duas moradoras locais e outras duas de São Sebastião do Oeste eLagoa da Prata.

Comente! *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Publicidade
Veja também
Publicidade

Noticias relevantes:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!