Divinópolis entra em feriadão com isolamento em queda, mortes em alta e pressões contra a quarentena

Postado em 10/04/2020 8:20

No momento em que enfrenta ainda a fase inicial da epidemia de coronavírus ―com 941 mortos e 17.857 infecções―, Divinópolis se prepara para atravessar dois feriadões nos próximos dias em um contexto em que os brasileiros começam a relaxar o isolamento social e a aumentar a circulação nas ruas em todos os Estados do país.

Em Divinópolis a leitura da paixão, ofício obrigatório na sexta-feira santa, será na catedral do Divino Espirito Santo, por Dom José Carlos e todos poderão acompanhar, pela TV Candides, pela rádios: Minas FM 104,1 e 102,3 FM e também pelas redes sociais.

Já na parte da manhã muitos faziam uma caminhada penitencial a gruta de Nossa de Fátima, ela foi adiada. A orientação da Igreja é que cada família faça em casa a via-sacra. As encenações do julgamento, condenação e morte de Jesus Cristo estão canceladas. Em Divinópolis o Teatro Nova Jerusalém fazia a apresentação na Praça da Catedral.

Vários estabelecimentos já foram fiscalizados por estarem descumprindo as regras dos decretos estaduais e municipais. Dentre eles: 6 drogarias, 3 tabacarias, 25 bancos e lotéricas, 9 lojas de manutenção de celular, 16 da Indústria têxtil, 13 oficinas mecânicas, 3 Clínicas odontológicas, 6 empresas do setor industrial, 19 do ramo de construção civil, 124 na área alimentícia e 30 em ramos diversos. Receberam infrações por descumprimento ao decreto 23 locais. Além dessas medidas a vigilância enviou e-mails com orientações aos estabelecimentos sobre as medidas que devem ser tomadas.

O afrouxamento individual se soma à escassez, até o momento, de medidas mais duras dos governantes para reduzir o fluxo de viagens. E começa a ser observado em um momento em que o país sequer entrou na fase mais aguda da crise, quando há transmissão descontrolada da doença, mas cujo sistema de saúde já sofre a pressão da pandemia.

Em meio a uma alta demanda reprimida de testagem, com longas filas de espera para a notificação dos casos positivos da Covid-19, o número brasileiros infectados conhecido ainda está distante do real.

Especialistas explicam que estamos a cada dia observado um retrato de duas ou três semanas atrás e projetam que, estatisticamente, o país já pode ter rompido a marca de 86.000 casos.

Apontam ainda que, se o país viveu uma primeira onda de disseminação da doença concentrada nas metrópoles, agora já enfrenta uma segunda onda com focos de disseminação no interior, que têm estrutura para tratamento de casos graves mais precária e muitas vezes dependem das cidades de referência, que já sofrem o aumento da demanda.

“É perigosíssimo a população começar a relaxar nesse momento. Estamos ainda no começo de ascensão da curva, num cenário de defasagem dos casos confirmados extremamente importante.

Se as pessoas pensarem que já fizeram o sacrifício por três semanas e que agora podem relaxar, pode ser uma catástrofe”, afirma Domingos Alves, do Laboratório de Inteligência em Saúde da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto.

O pesquisador desenvolve um trabalho de monitoramento com cientistas de outros Estados e têm um portal para monitoramento da disseminação do vírus pelo país. Alves destaca que o caso de São Paulo, o primeiro hub de disseminação do coronavírus no Brasil, é emblemático para entender os riscos.

Desde que o Estado decretou oficialmente as medidas de isolamento social, inclusive com fechamento de comércio, o índice de isolamento da população chegou a 60%.

 

Veja também
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios
error: Este conteúdo é protegido!