Publicidade

COVID: Varginha ganha ação movida pelo Estado e continua fora da onda roxa

Postado em 27/03/2021 13:31

Varginha soma 7.537 pessoas infectadas pelo novo coronavírus e 146 mortes em decorrência da doença. A prefeitura já publicou três decretos com medidas restritivas após o anúncio da onda roxa imposta pelo Estado. O prefeito Vérdi Lúcio Melo defendeu o trabalho dos comerciantes e culpou a população, que insiste em desrespeitas as medidas de combate à COVID-19. “Não adianta tapar o sol com peneira. Eu não quero culpar comercio, o que eu estou culpando aqui é a população, porque chega no fim de semana é rancho, é sitio, é chácara. A nossa equipe está trabalhando. Mas é uma luta desproporcional. Você fala que não vai vender bebida alcoólica, tem gente que faz estoque e leva para o sitio”, ressalta.

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) negou pedido feito em ação civil pública do Estado contra Varginha, no Sul de Minas, que segue fora da onda roxa, fase mais restritiva do Programa Minas Consciente. A decisão foi do juiz Wagner Aristides Machado da Silva Pereira, da Comarca da cidade, e ainda cabe recurso.

Noticia que o Município de Varginha age na contramão de direção com o Decreto 10.300, que foi alterado pelo decreto 10.302/2021 que, em momento de especial gravidade, permitiu o funcionamento de Igrejas, de comércio não essencial, como salões de beleza e barbearias, sem previsão de toque de recolher”, trecho do documento. “Argumenta que as decisões Comitê Extraordinário COVID-19 não têm como ter força vinculante sobre o Município, visto que a sua criação restringe-se ao âmbito do Poder Executivo (Estadual), sobre seus órgãos, autarquias, fundações, empresas, estagiários e servidores (Decreto Estadual 47.886)”, completa.

Advertisement

Varginha argumentou que vem se preparando com várias ações adotadas no enfrentamento à COVID-19 e defendeu o trabalho dos comerciantes. “Informa que o Município não aderiu ao Programa mencionado no parágrafo anterior, posto que se estruturou antes mesmo de sua criação e, vem trabalhando com firmeza na contenção da crise causada pelo Coronavírus”, afirma.

O juiz Wagner Aristides Machado da Silva Pereira, da Comarca da cidade, entendeu que a realidade de Varginha permite a atitude tomada pelo município. “Que foi feita dentro da legalidade e seguindo as diretrizes federais. Lado outro, também não se mostra razoável e muito menos proporcional deixar de lado o direito fundamental da igualdade, da dignidade da pessoa humana e do direito social ao trabalho”, ressalta. A decisão ainda cabe recurso e o Estado tem o prazo de 15 dias para contestar.

 

Varginha fora da onda roxa

Mesmo com ação movida pelo Estado, Varginha segue fora da onda roxa. Prefeito falou das ações adotadas e defendeu comerciantes(foto: Reprodução Facebook)

fonte: EM 

 

Comente! *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Publicidade
Veja também
Publicidade
Publicidade
Publicidade
plataforma ead
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!