Divinópolis da 6 meses para IBDS deixar a UPA mesmo após denuncias apresentadas pelo prefeito de Betim - Portal MPA

Publicidade

Divinópolis da 6 meses para IBDS deixar a UPA mesmo após denuncias apresentadas pelo prefeito de Betim

Postado em 20/10/2021 11:01
Publicidade

A assinatura de um contrato transitório com o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Social para gestão da UPA de Divinópolis gera polêmica na Câmara Municipal. O contrato foi autorizado pelo prefeito Gleidson Azevedo (PSC) mesmo após o município ter encerrado o convênio com o IBDS. O contrato terá duração de 6 meses até que seja realizada outra licitação para contratação de uma nova Organização Social.

Durante reunião ordinária da Câmara Municipal o assunto foi tema de muita discussão. O vereador Flavio Marra (PATRI) usou o pronunciamento para fazer criticas a gestão municipal. O parlamentar contesta a decisão de manter o Instituto que foi afastado por não prestar um bom serviço. O receio segundo o vereador é de que a qualidade do serviço prestado a população seja comprometido.

O Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Social é foco de outras denuncias em contratos firmados com a Secretaria Municipal de Saúde de Betim.  O instituto é responsável por administrar o Hospital de Campanha e o Centro de Cuidados Intensivos, destinados exclusivamente ao tratamento de pacientes com COVID-19 no município de Betim.

Segundo a auditoria da Controladoria Geral da União existem fortes indícios de desvio de recursos em contratações realizadas pela IBDS: favorecimento de empresas, ausência de divulgação de editais, sobrepreço em aquisições de insumos, entre outros. Em dezembro de 2020, a Polícia Federal (PF) deflagrou a operação “Entre Amigos”, em parceria com a CGU, no qual combateu o desvio de recursos pela Organização Social IBDS, responsável pela gestão de Unidade de Pronto Atendimento e do Hospital de Campanha de Divinópolis, em contrato que ultrapassa R$ 100 milhões.

 A investigação teve início após recebimento de denúncia sobre suposto sobrepreço na locação de ambulâncias para a UPA de Divinópolis. O contrato para gerir o Hospital de Campanha, segundo a PF, era de aproximadamente R$ 1,5 milhão por mês. Em entrevista ao Jornal o Tempo o prefeito de Betim, Vittorio Medioli disse que vai garantir que o IBDS não preste serviço nunca mais para instituições públicas.

Publicidade