Publicidade

Mulher que forjou ataque “nazista” para atacar Bolsonaro é condenada

Postado em 27/02/2019 17:13
Publicidade

A gaúcha de 19 anos que forjou ataques nazistas para incriminar eleitores de Jair Bolsonaro foi condenada a prestar serviços comunitários no Rio Grande do Sul. Por comunicação de falso crime, ela vai prestar 200 horas de serviços à comunidade em data e local ainda a serem definidos. 

Episódio

Em outubro do ano passado, a estudante procurou a polícia informando que havia sido atacada em via pública e que os agressores teriam marcado seu corpo com uma suástica nazista. A mulher alegou que o fato ocorreu por motivações homofóbicas, em razão dela ser militante de esquerda e ser ligada ao PSOL. Disse que os agressores gritaram o nome de Jair Bolsonaro durante os ataques.

Apesar de erros crassos e contradições, a narrativa foi amplamente repercutida pela campanha publicitária de Fernando Haddad (PT) e pela imprensa nacional.

Reviravolta

Uma investigação policial, porém, revelou que o caso era falso. A jovem teria cometido automutilação e em seguida mentiu sobre o ataque.

Fake Flags

Fake flags são operações conduzidas por grupos que aparentam ser realizadas pelo inimigo, de modo a incriminá-lo injustamente.

Algumas dessas fake flags foram praticadas no segundo turno das eleições presidenciais de 2018. Grupos e indivíduos de esquerda produziam ataques nazistas e os atribuíam falsamente aos eleitores de Jair Bolsonaro. Todos os envolvidos flagrados forjando tais ataques foram indiciados por comunicação de falso crime.

 

Banalizar o nazismo é desrespeitar às vítimas dos horrores do Holocausto.

Comente! *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Publicidade
Veja também
Publicidade

Noticias relevantes:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!