Publicidade

Famoso produtor de eventos, Michel Abou diz que a solução será deixar o país

Postado em 08/04/2021 17:09

A solução é recorrer a países evoluídos onde existem uma logística eficaz na luta contra o covid.

Muitos países, estão retomando a vida normal, com eventos eficazes e seguros. Na Espanha, onde Michel Abou morou dois anos, já realizam eventos com muitas pessoas. Também na Austrália e Nova Zelândia eventos de danças, shows, desfiles, tecnologia, festas particulares, tradições culinárias, estão sendo realizados normalmente sem a disseminação do vírus devido aos cuidados tomados.

 

Políticos não pensam no coletivo e mantêm um plano de auxílio que de nada ajuda as casas de eventos particulares no país. A solução é recorrer a países evoluídos onde existem uma logística eficaz na luta contra o covid como relata produtor de eventos, Michel Abou Abdallah, dono da casa Sion Festas que está há mais de um ano fechada esperando a ordem do governo para a sua reabertura:

Advertisement

 

“Constatamos a bagunça que está o Brasil pela falta de auxílio adequado, da aglomeração no transporte público, a falta de controle das doses de vacinas e a falta de monitoramento dos testes de PCR na chegada e saída do país. O vírus corre sem controle até mesmo dentro de um hospital, sem falar nas comunidades, impossibilitando a erradicação da doença e prejudicando o nosso retorno à vida normal como já acontece em outros países.” 

 

Abou Viajou o mundo das Américas a Europa e África (Itália, França, Alemanha, Bélgica, Holanda, Áustria, Grécia, Marrocos, Estados Unidos,…) Morou na Inglaterra onde trabalhou como Team Leader durante 4 anos, organizando toda logística dos eventos no Club Oneills Leiscester Square, em Londres. Fez parte também da produção de eventos esportivos pela equipe HBS da FIFA na copa de 2014, pela TV Americana NBC e também a TV Alemã ARD/ZDF nas olimpíadas 2016. Além de fazer parte de produções no Sambódromo do Carnaval no Rio de Janeiro e algumas  edições da Bienal RJ.

 

“Como aqui no Brasil o estado nos proíbe de trabalhar, mas nos obriga a sustentá-lo com iptu e todas as taxas impostas, já entrei com a documentação para a cidadania Libanesa a convite de parcerias em produções na França, no Líbano e na Espanha. Absurdo termos de buscar fontes e trabalho no exterior para manter-nos nosso negócio no Brasil vivo e sem dívidas, já que o governo nada faz para nós ajudar.” diz Michel Abou Abdallah proprietário da Casa Sion Festas

 

O setor de eventos foi um dos mais prejudicados pelo isolamento social. E por conta disso, impactou cerca de 2 milhões de trabalhadores que atuam em empresas de lembranças, presentes, papelaria, locação de materiais, móveis, música, organização, foto, som, bebidas, comida, moda, acessórios e aluguel de espaços. A estimativa é da Associação Brasileira de Promotores de Eventos (Abrape).

 

“A Lei Federal Aldir Blanc, número 14.017, de 29 de junho de 2020, prevê que o município preste auxílio emergencial ao setor cultural durante o estado de calamidade, com o intuito de dar apoio ao setor, no entanto, o que se observa é que, além de não podermos voltar ao trabalho, esse benefício do auxílio financeiro também foi negado à categoria que atua com eventos e festas particulares. Apenas o setor cultural foi beneficiado”, comenta Abou

 

Sobre Michel Abou Abdallah

O empresário Michel Abou Abdallah, também é ator de novelas na Globo e Record TV e músico da banda Abou e Os Caras Da Terra, está no ramo desde 2003. A Casa Sion Festas é uma das mais tradicionais de Belo Horizonte. Desde sua fundação, emprega centenas de pessoas direta e indiretamente.

Comente! *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Publicidade
Veja também
Publicidade
Publicidade
Publicidade
plataforma ead
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!