Em jogo dramático e sufocante Cruzeiro escapa do empate e segura o Goiás no Mineirão – 05 de Maio de 2019

Postado em 05/05/2019 17:51

 

Resumo do Primeiro Tempo: O Goiás abriu o jogo com uma pressão significativa, com maior posse de bola nos minutos iniciais o Goiás avançava contra o Cruzeiro que até então tinha um estilo de jogo que colocava uma maração pesada, alta sobre os adversários. Assim sendo o Cruzeiro não demorou muito para responder, a Raposa enfim atacou, o time das cores azuis e branca tinha a maioria de seus jogadores no campo de ataque, trazendo uma força tarefa que obrigava constantemente a zaga do Goiás para trabalhar, boas chances foram criadas pelo jogador Pedro Rocha, e em um bom lance Fred deixou com que Pedro Rocha novamente ficasse frente a frente com o gol, porém com um furo de Pedro Rocha a bola sobrou para Egídio que chutou em cima de Leandro Barcia, que ”salvou” o Goiás aos dez minutos do Primeiro Tempo. Porém o Cruzeiro ia dominando a posse de bola com o passar dos minutos, comandando todo o momento de jogo no Mineirão.

O Cruzeiro até então explorava a maioria de suas jogadas com seus laterais, porém Orejuela e Egídio não conseguiam produzir um cruzamento efetivo para dentro da área do campo de defessa do Goiás, assim sendo, o time cruzeirense pressionava de todos os modos como podia o time do Goiás, porém ainda não tinha grandes oportunidades de ampliar o placar, fazendo com que em quase 20 minutos do Primeiro-Tempo o placar ainda apresentasse o valor de 0 x 0.

O Cruzeiro por mais que tivesse em seu repertório de ataque boas oportunidades não conseguia concluir os lances, a bola sempre escapava do Cruzeiro por mais que a Raposa pressionasse o Goiás, faltando o capricho necessário para que o placar fosse aberto, porém era evidente que o time visitante estaria tomando um ”sufoco”. Era então um jogo complicado, com muita dificuldade, o Goiás marcava com quatro jogadores em linha sobre a frente do goleiro, fechando-se inteiramente quando o Cruzeiro ameaçasse atacar, fazendo com que as chances dos laterais do Cruzeiro fossem escassas, com esse estilo de jogo o Goiás pressionava os principais armadores do Cruzeiro que não conseguiam concluir seus lances de jogo.

Os contra-ataques do Goiás eram poucos, o time visitante aproveitava ”bolas espichadas”, só quando lhe era conveniente que o avançava para tentar colocar uma ameaça as redes de Fábio que pouco trabalhava ao longo dos vinte minutos de jogo, porém o jogo ainda era tenso e extremamente pegado, o Mineirão parecia estar ”apertado” para ambos os times, o que complicava a criação de jogadas que pudessem resultar em um gol. 

Pedro Rocha era o principal ”gatilho” de ataque do Cruzeiro até então, porém suas boas jogadas e lances contra o goleiro do Goiás não geravam perigos expressivos, assim sendo o placar à duras penas se mantinha no 0 x 0, ambas as equipes seguravam-se muito para evitar com que a liberdade do adversário fosse criada, ambos encontravam-se em total atenção e camuflados em um clima de tensão que expandia-se de minuto a minuto. 

Após chute de Robinho, bola desvia, e Fred tenta de bicicleta. Goleiro Tadeu defende! Fazendo com que o Goleiro do Goiás fosse um dos grandes nomes da partida até então, salvando milagrosamente seu time à medida que ele o conseguia fazer, embora a pressão cruzeirense fosse constante, portanto o Cruzeiro era tido como ”O Senhor do Jogo”, tendo uma posse de bola e ofensividade ainda maior do que a de seu adversário. 

Aos 35 minutos em diante o Goiás perderá o medo do Cruzeiro e avançava, forçando com que a equipe do Cruzeiro tivesse de trabalhar mais do que o previsto, portanto o Goiás não se via abatido e buscava atacar o Cruzeiro à medida que conseguissem, trabalhando por aquela ”famosa bola perfeita”, que pudesse ajudar o Goiás no jogo. O equilíbrio então era estabelecido em torno do jogo, agora tanto Cruzeiro quanto Goiás se dispunham a jogar e brigar pela vitória, dando um clima ainda mais intenso para a busca pela vitória. O intervalo enfim apresentou-se. 

Resumo do Segundo Tempo: O Segundo Tempo começou com um Cruzeiro que procurava correr atrás do prejuízo do Primeiro Tempo, em muita pressão sobre bolas alçadas pelas pontas de defesa do Goiás, Dedé aproveitou a deixa e o cruzamento para que pudesse saltar livre e empurrar com a cabeça o lance em questão, fazendo com que a bola estufasse as redes do Goiás e ampliando o placar para o time do Cruzeiro, assim sendo o cenário se apresentava 1 x 0 para o Cruzeiro, que após seu gol viu-se pronto para se defender, aproveitando as grandes falhas do Goiás, o time cruzeirense enfim acordava. 

A vantagem cruzeirense não durou muito, em um contra-ataque da equipe do Goiás Fábio por mais que efetivasse uma defesa milagrosa não foi capaz de conter o chute de Michel que havia sobrado com o rebote do goleiro cruzeirense, a zaga da Raposa falhou de maneira gritante, deixando com que o Goiás empatasse a partida em 1 x 1. 

O jogo que se seguiu ficou ainda mais tenso, o Goiás se via capaz de avançar e o Cruzeiro buscava correr atrás da vitória, portanto a batalha entre ambas as equipes tornou-se ainda mais notória, dificuldade todo o sistema de jogo e fazendo com que tudo se tornasse ainda mais ”puxado” para todos que estavam em campo. 

O Goiás propunha a defender-se até seus trinta minutos de jogo, a dificuldade se instalava a cada novo instante, o Cruzeiro procurava obter uma virada para garantir seus três pontos, porém o Goiás não permitiria isso, e embora se defendesse tanto ainda haviam jogadas que o time visitante ameaçava com total propriedade o gol defendido por Fábio, o Mineirão ”encurtava-se” em suas linhas diante o difícil jogo em questão. 

O desespero enfim começava, com as substituições ambos os times pareciam ir para ”o tudo ou nada”, portanto o duelo entre o time mineiro e o time goiano se intensificava, ambos queriam a vitória, ambos queriam o resultado, porém o desespero de ambas as equipes fazia com que o jogo não tivesse mais um caráter coletivo e sim individual com jogadores alternando posições e deixando seus sistemas táticos completamente confusos e fragmentados. 

Em quase quarenta minutos, em uma bola alçada para a área do Goiás, Rodriguinho aproveitou a deixa fazendo com que a bola ”espirrasse” sobre sua cabeça que rasteira em direção ao chão quicou ao campo e entrou sobre as redes do Cruzeiro, ampliando o placar para o time cruzeirense, assim sendo 2 x 1, resultado que tirava o Cruzeiro de um sufoco inacabado. 

O Cruzeiro então administrou as jogadas até o término do jogo. 

Ouça os Gols na narração de Mário Savagett:

 

Ouça a nossa Jornada Esportiva:

Veja também
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com