Publicidade

109 anos do Coelhão. Parabéns América!

Postado em 30/04/2021 12:33

Em 109 anos, muitas histórias podem ser contadas. Mas um importante feito do aniversariante do dia celebra 50 anos da conquista em 2021: o título do Campeonato Mineiro de 1971. Foi um momento especial do América-MG, que encerrou um jejum de 14 anos do clube e deu a volta olímpica pela primeira vez no antigo, mas então jovem, estádio Mineirão. Uma promessa foi feita. E foi paga.

“O título de 1971 é fundamentalmente importante porque o América estava desde 1957 sem ganhar. A torcida estava perdendo seus filhos para o Cruzeiro, porque, para o Atlético, os pais americanos, na época, não aceitavam. Esse título foi uma restauração para a torcida – conta o historiador Carlos Paiva, autor da Enciclopédia do América”.

Advertisement

“Em 1971, foi montado um time muito poderoso, criou uma camisa nova, que foi feita em 1970, mas adotada definitivamente em 1971 e considerada a mais bonita do Brasil. Perderam a chance de fazer a homenagem a essa camisa pelos 50 anos em 2020. Poderiam fazer agora pelos 50 anos do título de 1971. Foi uma conquista invicta. O entusiasmo da torcida foi muito grande. Considero o título da nova geração, na época” – acrescenta Paiva.

O América havia sido campeão mineiro pela última vez em 1957. Depois disso, viu se estabelecer a hegemonia de Atlético-MG e Cruzeiro. Foram quatro taças do Galo e oito da Raposa. O único intruso foi o Siderúrgica, em 1964, um ano antes da inauguração do Gigante da Pampulha. O América foi vice.

A retomada do Coelho foi triunfal. Uma campanha invicta, contra o Atlético de Telê e o Cruzeiro de Tostão. O Estadual foi disputado no sistema turno e returno. Em 22 jogos, o time somou 16 vitórias e seis empates. O clube teve ainda o artilheiro da competição: Jair Bala, com 14 gols.

O time base: Élcio; Misael, Vander, Café e Cláudio; Pedro Omar e Dirceu Alves; Hélio, Amauri Horta, Dario Alegria e Jair Bala.

Era o começo do “Abacate-Atômico”, apelido dado à equipe, que havia lançado na temporada anterior o uniforme verde e preto. Apesar da campanha invicta, o América só se sagrou campeão na última rodada. E precisou ficar na torcida pelo histórico rival Atlético. Ou melhor, torceram contra o Cruzeiro.

“Nenhum americano torceria pelo Atlético naquela época. Torceram foi para o Cruzeiro perder” (Carlos Paiva

Um dos personagens dessa conquista, o ex-atacante Dario Alegria relembra uma passagem curiosa no jogo contra o Galo, no primeiro turno. Saiu do hospital para a ponta esquerda do América.

– Eu estava com uma distensão, internado no Hospital Arapiara. Me levaram para a partida contra o Atlético, aquele que seria campeão brasileiro e falaram comigo: “Entra para você ganhar o bicho”. Claro que fui. Peguei uma bola na ponta esquerda, passei pelo Humberto Monteiro. O Jair Bala levantou os braços pedindo a bola. Eu cruzei a bola e ela entrou no ângulo de Renato. Ganhamos de 2 a 1 – recorda Dario Alegria, hoje com 77 anos, morador de Paracatu.

A campanha também foi marcada pela saída do técnico Biju, que precisou deixar o comando do time por questões de saúde. Auxiliar técnico, Henrique Frade assumiu. Precisou recuperar os jogadores emocionalmente.

– O Biju recebeu recomendação médica para ficar em casa. Ele teve que sair. Houve um pouco de baque para a torcida e pelo próprio time, porque tudo vinha dando certo. Mas o América se recuperou rapidamente – ressalta Carlos Paiva.

A vitória no segundo turno sobre o Atlético de Telê Santana, campeão mineiro no ano anterior e que viria a ser campeão brasileiro daquele ano, reanimou o time. O América tinha chance de ser campeão com uma rodada de antecipação. Mas acabou empatando com o Fluminense de Araguari (1 a 1) na penúltima rodada do segundo turno, trazendo o Cruzeiro novamente para a disputa da taça.

Na rodada final, outro tropeço seria fatal. A vantagem no saldo era cruzeirense. Agora era preciso vencer e torcer contra a Raposa. No sábado, 26 de junho, o Coelho fez sua parte. Derrotou o Uberlândia no Mineirão por 3 a 2.
 
“O terceiro gol do América foi de bicicleta, do Jair Bala. Ele já havia feito outros gols de bicicleta nesse campeonato.” (Carlos Paiva)
 
“Galo promete brigar e ajudar o América a ser o campeão mineiro” (O Globo, 26/6/1971).
 
“América campeão invicto”
 
No texto, foi destacado que o Coelho foi o único time do Brasil naquele ano a erguer um troféu sem nenhuma derrota. De acordo com o relato do jornal, a torcida do América se concentrou em frente à igreja de São José para comemorar o esperado título.

No dia seguinte à conquista, jogadores do América pagaram uma promessa, feita pelo preparador físico Roberto Castro.

Em momento delicado da campanha, Castro foi até Roça Grande, em Sabará. Visitou a Sala dos Milagres e pediu a Santo Antônio pelo sucesso do Coelho no campeonato. Se a taça viesse, os jogadores e integrantes do clube fariam uma caminhada de oito quilômetros até a igreja.

Na manhã de segunda-feira, um ônibus com os campeões deixou a Alameda e partiu rumo ao trevo de Sabará. Dario Alegria, também conhecido como “Leopardo das Alterosas”, recorda aquele dia:

“Foi uma conquista especialíssima. E nós fomos a pé para Roça Grande pagar a promessa. Levamos muitas doações de mantimentos para o povo que ficava na igreja. Foi jogador, comissão técnica e dirigente. Lembro que tinha muita gente na porta da igreja.” (Dario Alegria).

No site do Mineirão, é possível torcedores relatarem o que viram de determinada partida. Na ficha de América 3 x 2 Uberlândia, Reinaldo Luiz Moreira contou como foi o jogo do ponto de vista de um menino então com 10 anos em 1971:

Eu tinha 10 anos de idade e já frequentava o Gigante da Pampulha. Neste jogo, estava no Mineirão com meu saudoso pai na geral, atrás do túnel do América, onde sempre ficávamos. Em poucos minutos, logo após a nossa chegada, entra em campo o meu América com sua camisa verde e preta (tinha sido escolhida a camisa mais bonita do futebol brasileiro pela revista Placar). Do outro lado, entrava o Uberlândia. Bola rolando, jogo tenso. O América sai na frente. Vibrei bastante com meu pai. Depois, no segundo tempo, o Uberlândia veio para cima bem empolgado e consegui o empate. Aí o América acordou e logo em seguida fez o segundo gol. Mais alegria e tranquilidade. E veio o terceiro gol. Jair Bala de bicicleta. Já gritávamos é campeão fim de jogo. Saímos em festa do Mineirão e fomos para Praça Sete comemorarmos. Vi ali o meu primeiro título. América campeão de 1971.”

Comente! *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Publicidade
Veja também
Publicidade
Publicidade
Publicidade
plataforma ead
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!