Sintram tem receio de dizer nome de servidora que teve aumento de salário, e diz que população está por dentro de quem seja

Postado em 21/01/2019 17:25

A presidente do Sintram Luciana e o vice-presidente Wellington participaram nesta segunda-feira (21), do Programa Bom Dia Divinópolis para posicionarem em relação a nota de repúdio encaminhada a Prefeitura de Divinópolis referente a falta de pagamento dos servidores municipais. O Prefeito tinha segundo o Sintram afirmado que repassaria esse pagamento aos servidores na sexta-feira (18), mas não foi o que aconteceu.

Durante entrevista, a presidente Luciana explicou que em novembro do ano passado, a Prefeitura enviou um ofício ao Sintram sobre esse parcelamento do pagamento dos servidores alegando que esse pagamento seria feito no início desse ano de 2019. “Após receber esse ofício convocamos uma assembleia e a categoria entendeu naquele momento a dificuldade da Prefeitura em efetuar o pagamento. A categoria disse que ia esperar até o mês de Janeiro. Porém, o pagamento não foi feito no dia 18 de Janeiro como foi combinado. Tem servidor que não tem alimento dentro de casa e ficou essa falta de compromisso por parte do Executivo. A cidade de Bom Despacho por exemplo teve todo um planejamento e pagou adiantado  o pagamento do mês de Janeiro”, afirmou.

Na nota de repúdio, o Sintram cita ainda a irresponsabilidade por parte da Câmara e do Executivo, com a aprovação de uma reforma administrativa que teve como alvo apenas aumentar o salário de uma única servidora, que recebia pouco mais de R$ 5 mil e, agora, tem vencimentos próximos a R$ 12 mil. Quando questionados sobre quem era esta servidora, o vice-presidente do Sintram disse que não iria falar quem é a servidora, porque a população já sabe quem é ela. “A população já está por dentro de quem é essa servidora. No Brasil o único caso parecido com o dessa servidora é do filho do vice-presidente Mourão que dobrou o salário dele de uma forma até mágica, e aqui em Divinópolis aconteceu da mesma forma com essa servidora. O que questionamos é o fato do Prefeito pegar a cidade com dívidas e durante todo o cenário nomear os cargos comissionados. No fim do ano passado, ele apresentou medidas de contenções de gastos, e exonerações de cargos e no início desse ano nomeia todos cargos novamente. Nós entendemos que se o município está tendo dificuldade de pagar não se pode nomear as pessoas, até que se controle toda a situação”, detalhou.

Contudo, foi cobrada na reunião de sexta (18), da secretária Suzana que atendeu os membros da Prefeitura, um posicionamento e a partir de agora; o Sindicato aguarda um ofício com as datas assim como combinado com a Suzana. Esse ofício estando em mãos  haverá uma Assembleia para definir se haverá greve, se haverá paralisação, decidir os rumos desse caso. Confira entrevista:

 

Veja também
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios