Pulga-do-mar o parasita que come a língua de peixes vivos ainda surpreende cientistas - Portal MPA

Publicidade

Pulga-do-mar o parasita que come a língua de peixes vivos ainda surpreende cientistas

Postado em 09/11/2021 7:30

Foto: Rede social

A natureza é palco para todo tipo de mistério fascinante e, enquanto conhecemos criaturas que beiram à beleza e detalhes comportamentais impressionantes, outros seres chamam a atenção por deter propriedades assustadoras, como se tivessem vindo de outro planeta, um lugar hostil. E um desses animais bizarros é a parasitária pulga-do-mar, um animal com poucos milímetros de extensão que devora a língua do hospedeiro e substitui o órgão em seguida.

Bastante comum desde o sul do Golfo da Califórnia até o norte do Golfo de Guayaquil (Equador), a pulga-do-mar (Cymothoa exigua) é um pequeno crustáceo que pode ocupar águas de até 60 metros de profundidade. A espécie se destaca por apresentar indivíduos praticamente invisíveis a olho nu, já que as fêmeas podem crescer até 2,5 centímetros de comprimento e os machos até metade disso cerca de 1,5 centímetro, considerando o máximo alcançado por indivíduos adultos.

Mas nesse caso tamanho não é documento. As dimensões do isópode crustáceo permitem que o animal invada duas ordens e quatro famílias de peixes para comer totalmente a língua deles e depois, então, ocupar o lugar do órgão, fixando-se na boca dos animais por meio de ganchos semelhantes a patas. O processo se dá por meio de um mecanismo de absorção, no qual a pequena criatura suga o sangue da língua até atrofiá-la para abrir espaço suficiente na região.

Essa particularidade faz a pulga-do-mar ser um dos animais mais eficientes do planeta em relação à caça por alimentos, já que ela passa a ingerir os nutrientes oriundos das refeições e, em casos mais evoluídos, come o próprio peixe, causando a desnutrição dele. Porém, essa adaptação só é possível para as fêmeas da espécie, já que os machos tendem a aderir às brânquias ambos ainda em suas fases juvenis.

Relatos de biólogos indicam que a maioria dos peixes não morre após ser infectada, e muitos chegam até mesmo a prosperar com a relação interespecífica, realizando suas atividades cotidianas como se não se dessem conta do invasor.

O mais assustador do parasita certamente é o ciclo reprodutivo, já que o acasalamento é permitido e é um hábito comum para as novas línguas dos peixes. Caso haja algum macho instalado nas brânquias, ele é atraído pela fêmea e realiza atividades sexuais na própria boca do hospedeiro, dando à luz a uma ninhada de piolhos machos que dão continuidade aos serviços alimentares da fêmea.

Comente! *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
antes do ifdentro do if

1 coment

  1. math代写 disse:

    Wow that was strange. I just wrote an really long comment but after I clicked submit my comment didn’t show up. Grrrr… well I’m not writing all that over again. Anyway, just wanted to say great blog!

Publicidade
Veja também
Publicidade
Publicidade
Publicidade
plataforma ead
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
%d blogueiros gostam disto: