Divinópolis também comemora a Festa de Santa Cruz - Portal MPA

Publicidade

Divinópolis também comemora a Festa de Santa Cruz

Postado em 01/05/2022 23:09
Publicidade

Texto de Mauro Eustáquio Ferreira

A celebração de missas especiais, no próximo domingo, 1. o de maio de 2022, marcará a comemoração da tradicional Festa da Cruz na zona rural de Divinópolis, Minas Gerais, com a participação dos devotos dos povoados de Buritis e Branquinhos, conforme informação do franciscano e folclorista frei Leonardo Lucas Pereira, OFM, que presidirá as duas cerimônias, que serão transmitidas pelas redes sociais da Congregação das Irmandades Congadeiras, de Reinado, Festa de Cruz, Folia de Reis e Correlatas de Divinópolis (Congadiv).

De acordo com frei Leonardo, membro da Comissão Mineira de Folclore (CMF), a coroação da cruz durante a festa é um momento de encantamento, de alegria e de reverência, ao mesmo tempo em que lembra à humanidade a ressurreição de Jesus Cristo, Salvador do mundo. O franciscano informa que os atos religiosos acontecerão em horários distintos: em Buritis, no Cruzeiro da Laje, a missa será celebrada a partir das 15h45; e em Branquinhos, a cerimônia será iniciada às 18 h, em que também acontecerá o tradicional terço cantado pelos moradores. O frade também informa que, no povoado de Tamboril, a Festa da Cruz será comemorada nos dias 2 e 3 de maio, segunda e terça- feira, a partir das 19h30, quando haverá procissão com velas e o terço cantado.

A cruz é reverenciada há séculos
A Festa da Cruz é realizada há décadas em várias localidades da zona rural e em alguns bairros de Divinópolis, Minas Gerais. No Brasil, de acordo com historiadores diversos, há registros dela desde o século XVIII, principalmente no interior do estado de São Paulo, durante a catequese dos índios pelos jesuítas, com missa, cantos, novena, procissão, leilão, levantamento de mastros e barraquinhas; há também menção a essa festa na Santa Cruz da Bica, em Natal, capital do Rio Grande do Norte, no mesmo período. Diversas outras manifestações populares em homenagem à Cruz de Jesus Cristo estão espalhadas pelo Brasil afora, geralmente sem intervenção eclesiástica, com denominações semelhantes, como “Festa de Cruz”, “Festa da Cruz” e “Festa da Santa Cruz”.

Ao longo da história humana, a cruz percorre as galerias da vida e da morte, de variadas classes sociais, seja do homem simples, seja do sofisticado. Tal símbolo aparece em registros da pré-história, dos assírios, dos egípcios, dos gregos, dos romanos, enfim de vários povos. A partir da morte de Jesus Cristo entre dois ladrões, crucificados por representantes do Império Romano, a cruz começou a ser respeitada e cultivada como a marca do Cristianismo.

Inicialmente, os primeiros cristãos usavam-na disfarçadamente, com receio da perseguição por parte do poder romano pelo exercício da sua fé. Com o imperador Constantino, a cruz tornou-se símbolo dos cristãos. Conta a história que, antes de uma decisiva batalha, a qual Constantino venceu, ele teve um sonho em que aparecia a frase “In hoc signo vinces” (“Com este sinal vencerás”). A partir daí, a cruz era bordada na roupa de cada soldado e o Cristianismo foi adotado como religião do seu império.

Entre os povos bárbaros, a cruz era símbolo de prosperidade; entre os germanos, a cruz suástica era carregada à frente dos exércitos, símbolo que Adolf Hitler resgatou, mais tarde, nos anos 1920 e 1930, usando-a como dístico do Nazismo. Na Idade Média, as Cruzadas e os cruzados, como o próprio nome designa, carregavam à sua frente uma cruz. Na América do Sul, os povos pré-colombianos já adotavam a cruz como enfeite antes mesmo da chegada dos espanhóis; no Brasil, ela era símbolo de invocação da chuva.

Nos tempos das grandes navegações portuguesas, nos séculos XIV e XV, as caravelas estampavam em suas bandeiras a Cruz de Cristo, ou a Cruz de Malta, quando Pedro Álvares Cabral, à procura do caminho para as Índias, encontrou a “Ilha de Santa Cruz”, mais tarde “Terra de Santa Cruz”, hoje Brasil. Aqui Cabral mandou celebrar duas missas, mandando antes erguer uma cruz de madeira colhida em mata do litoral baiano, rica em pau-brasil. Nos primeiros tempos da colonização brasileira, era erguida a cruz em praças e diante de capelas, igrejas e cemitérios como marco inicial dos povoados.

Em momentos variados da vida brasileira, a cruz é frequentemente lembrada e utilizada. Importante e brilhante constelação no céu brasileiro é o Cruzeiro do Sul, retratado na bandeira do Brasil e até em distintivos de clubes esportivos. Esteve presente no nome da moeda brasileira – o cruzeiro –, adotado no governo de Getúlio Vargas, em 1942, substituído depois pelo Plano Cruzado, no ano de 1986, que instituiu o cruzado. Não há como esquecer as cruzes sobre as sepulturas nos cemitérios e à beira das estradas, em locais de acidentes fatais. Costumes diários e triviais da vida brasileira revelam o respeito e a devoção à cruz cristã para cada pessoa carregar a sua cruz de cada dia, como a cruz como ornamento no peito, em ouro ou bijuteria; como o sinal da cruz em diversos momentos; ou como as expressões cruz-credo, cruzes e credo-in-cruz contra os males. (MEF.)

Publicidade