Eleições 2022: TSE recebe apoio no combate à desinformação e à violência política - Portal MPA

Publicidade

Eleições 2022: TSE recebe apoio no combate à desinformação e à violência política

Postado em 28/07/2022 10:10
Publicidade

 

 

Eleições 2022

“O Tribunal Superior Eleitoral  não está só, porquanto a sociedade não tolera o negacionismo eleitoral”.  A afirmação foi feita na tarde de terça-feira (26) pelo presidente do TSE, ministro Edson Fachin, durante audiência com integrantes do grupo Prerrogativas, coletivo formado por advogados, juízes,  juristas, professores e pesquisadores de várias áreas do Direito, que atua em defesa do Estado Democrático de Direito.

Coordenado pelo advogado Marco Aurélio de Carvalho, o grupo manifestou apoio irrestrito à Justiça Eleitoral (JE) e ao sistema eletrônico de votação, bem como a convicção plena de que os resultados das eleições expressos pelas urnas eletrônicas são totalmente seguros, verdadeiros e confiáveis.  

Fachin enalteceu a iniciativa do grupo Prerrogativas, que se junta às mais de 100 manifestações de apoio recebidas pela JE. O presidente do TSE também ressaltou que a Justiça Eleitoral, amarrada à Constituição Federal e à institucionalidade, não se fascina pelo canto das sereias do autoritarismo, não se abala às ameaças e intimidações e não vai tolerar a violência eleitoral. “A Justiça Eleitoral não medirá esforços para agir, a fim de coibir a violência como arma política e enfrentar a desinformação como prática do caos”, afirmou. 

O ministro ainda destacou sete premissas de contenção que devem compor uma rede de proteção da democracia: sociedade civil; imprensa livre; Parlamento com eleições periódicas; forças de segurança a serviço e nos limites do Estado Democrático de Direito; democracia como uma questão global da ‘casa comum’ da comunidade internacional; a autoridade do Ministério Público eleitoral, sem omissões; e a Justiça Eleitoral.

De acordo com Fachin, é dever da Justiça Eleitoral exercitar a escuta e o diálogo como formas próprias de uma sociedade plural e diversa, respeitando todas as visões sem distinções nem privilégios.

Urnas

Segundo o ministro, o ataque às urnas eletrônicas como pretexto para se brandir cólera não induzirá o país a erro, pois o Brasil confia na Justiça Eleitoral, criada há 90 anos para conduzir eleições íntegras. Sobre o assunto, o presidente do TSE citou recente artigo publicado pelo professor Marcus André Melo, que define a agressão ao sistema eletrônico de votação como um ataque ao voto dos mais pobres e destaca que a introdução dos equipamentos nas eleições mudou radicalmente essa situação, ao emancipar “de facto” o eleitorado pobre.

Fachin louvou a preocupação do grupo Prerrogativas com a democracia e a vida pública no país, e reiterou que as eleições de outubro serão realizadas e que os eleitos serão diplomados. “Não há justiça sem sociedade civil e advocacia fortes e em diálogo, nomeadamente para defender o processo eleitoral, as eleições, e o próprio Estado Democrático de Direito”, afirmou o presidente do TSE.

Com informações TSE

Publicidade