Publicidade

Futebol Masculino chega a mais uma final olímpica e enfrentará a Espanha pelo ouro.

Postado em 03/08/2021 11:52

Fazer por merecer. Essa foi o conceito mais repetido pelo técnico André Jardine após a classificação do Brasil para a final do torneio masculino de futebol nas Olimpíadas. A vaga foi conquistada nesta terça-feira, com a vitória por 4 a 1 na disputa de pênaltis contra o México, depois de um empate sem gols no tempo normal e na prorrogação.

“Estamos de parabéns pelo jogo que fizemos. Não corremos riscos, fomos sólidos. Procuramos o gol o tempo todo. A classificação nos pênaltis, na minha opinião, coroou a equipe que procurou o tempo todo o ataque, para se classificar no tempo de jogo. Fizemos por merecer, e ao final o sentimento foi esse. Se fazemos por merecer durante o jogo, as coisas acontecem nos pênaltis” – disse o treinador.

Advertisement

A seleção brasileira disputa a final do futebol nas Olimpíadas no próximo sábado, às 8h30 (de Brasília), contra a Espanha, no estádio Internacional de Yokohama. Os espanhóis venceram o Japão, com gol de Asensio no fim da prorrogação. 

Nas penalidades máximas, Daniel Alves, Gabriel Martinelli, Bruno Guimarães e Reinier converteram para o Brasil. Os mexicanos Eduardo Aguirre (defesa de Santos) e Vazquez (trave) desperdiçaram, e apenas Rodriguez marcou. Jardine comentou o que passava pela sua cabeça durante aquele momento das cobranças.

“As Olimpíadas tem uma relevância para todos nós, para quem é do esporte, para quem cresceu vendo Copa do Mundo e Olimpíadas. A gente sonha com esse momento, sonha em jogar uma final olímpica. Durante a cobrança de pênaltis, passou em alguns momentos o filme da vida, tudo o que a gente construiu, de tudo o que a gente fez, tudo o que a gente sofreu para estar vivendo esse momento, e acima de tudo um sentimento de que a gente merecia ir para a final” — comentou.

O jogo foi muito tenso e pegado: 24 faltas cometidas pelo México e 26 pelo Brasil, totalizando 50infrações. As duas equipes tiveram quase o mesmo número de finalizações (9 e 10, respectivamente), mas a seleção brasileira acertou seis vezes a meta adversária, contra quatro conclusões bem sucedidas dos mexicanos.

“O México tem um grande nível. Para nós, foi um jogo com cara de final. É uma equipe que se defende muito bem, muito perigosa no ataque com jogadores rápidos e dribladores. Nos exigiu uma concentração muito grande” – analisou André Jardine.

Essa será a quinta participação do Brasil na final dos Jogos Olímpicos, a terceira consecutiva. Nas edições de 1984, 1988 e 2012, a equipe nacional ficou com a medalha de prata. O ouro inédito veio em 2016, no Maracanã, após a vitória sobre a Alemanha, nos pênaltis.

A decisão na edição de Tóquio-2020 será no próximo sábado, às 8h30, no Estádio Internacional de Yokohama – onde o Brasil conquistou a Copa do Mundo de 2002. Jardine comentou sobre o adversário e elogiou bastante a Espanha.

“A Espanha traz para as Olimpíadas praticamente a sua força máxima, com muitos jogadores de seleção principal. Forma aqui sim dentro da competição uma equipe muito forte, que eu apontaria desde o início como uma das favoritas”.

 

Comente! *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Publicidade
Veja também
Publicidade
Publicidade
Publicidade
plataforma ead
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!