Publicidade

Depois do TikTok, EUA agora estuda banir o WeChat

Postado em 13/07/2020 13:28

O mensageiro chinês WeChat pode ser o próximo grande alvo político dos Estados Unidos depois do popular TikTok. Quem confirmou as medidas foi o assessor comercial da Casa Branca, Peter Navarro, durante uma entrevista a um programa da Fox Business.

Segundo Navarro, tanto o serviço quanto o TikTok são “as maiores formas de censura da China continental” e que a população norte-americana deve esperar ações incisivas em relação a ambas as plataformas. De acordo com informações da semana anterior, os EUA estudam proibir o funcionamento da rede social no país.

“O que a população da América precisa compreender é que todos os dados que estão nesses aplicativos móveis que fazem as crianças se divertirem tanto e parecem tão convenientes vão direto para servidores da China, direto para os militares chineses, o Partido Comunista Chinês e as agências que querem roubar a nossa propriedade intelectual”, afirma o assessor.

Histórico
O WeChat é uma das maiores plataformas de comunicação da China. Criado pela gigante chinesa Tencent, ele funciona não apenas como um mensageiro, mas também como um ecossistema inteiro, que inclui rede social e até plataforma de pagamento. Nos últimos anos, o serviço já foi denunciado por censurar mensagens contrárias ao governo local, repassar dados às autoridades e até denunciar cidadãos devedores.

Navarro não chegou a sugerir que ações seriam tomadas e se a ideia é também bloquear o WeChat. Atualmente, ele é bastante usado pela comunidade chinesa nos EUA para se manter conectada com o país de origem.

Confira nossa playlist no spotify e siga a 94

Comente! *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Publicidade
Veja também
Publicidade

Noticias relevantes:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!