Verdadeiras ou falsas: notas de R$ 200 viram rotina em apreensões policiais - Portal MPA

Publicidade

Verdadeiras ou falsas: notas de R$ 200 viram rotina em apreensões policiais

Postado em 12/11/2021 8:57
Publicidade

Como identificar uma nota falsa de R$ 200?
  1. Marca d’água. O primeiro dos cinco padrões que identificam uma nota verdadeira é a presença de marca d’água. …
  2. Alto relevo. Por causa do alto relevo dá para sentir alguns elementos da nota pelo tato. …
  3. Número que muda de cor. …
  4. Quebra-cabeça. …
  5. Número escondido.

A nova nota de R$200 foi lançada no dia 2 de novembro de 2020 pelo Banco Central do Brasil durante uma coletiva de imprensa. As cédulas são estampadas pelo lobo-guará e, para evitar problemas, já dá para ficar de olho nos elementos de segurança que permitem identificar uma nota falsa.

As primeiras imagens da nota de R$200 foram reveladas no dia 2 de setembro.Imagem: Banco Central do Brasil

Como identificar uma nota falsa de R$200?

Para começar, a nota de R$200 tem as mesmas dimensões da nota de R$20 e foi impressa nas cores cinza e sépia.

Assim como todas as cédulas de real, a nota de R$200 tem vários elementos de segurança para dificultar a falsificação. Veja como reconhecer alguns deles:

Marca-d’água

Detalhe da nota de 200 reais que mostra a marca d'água do lobo-guará
Imagem: Banco Central do Brasil

Ao colocar a nota de R$200 contra a luz, alguns elementos aparecerão, como o valor em numeral e o lobo-guará.

Quebra-cabeça

Detalhe da nota de 200 reais que mostra o número 200 dentro de um quebra-cabeça
Imagem: Banco Central do Brasil

Também contra a luz, é possível enxergar que as partes do desenho logo abaixo de “REPÚBLICA” montam o número 200.

Alto-relevo

Detalhe da nota de 200 reais que mostra os elementos que estão em alto-relevo
Imagem: Banco Central do Brasil

Pelo tato, dá para sentir alguns elementos em alto-relevo na nota, como a legenda “REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL”, o número 200 e o lobo-guará.

Número que muda de cor

Detalhe da nota de 200 reais que mostra o número 200 com uma faixa brilhante verde ao meio
Imagem: Banco Central do Brasil

Ao movimentar a cédula, é possível enxergar um efeito no número 200 – uma barra brilhante que faz o número mudar de cor, do azul ao verde.

Número escondido

Detalhe da nota de 200 reais que mostra o número 200 escondido
Imagem: Banco Central do Brasil

Finalmente, basta posicionar a nota à altura dos olhos, em um lugar bem iluminado, para descobrir um número 200 logo acima da legenda “DUZENTOS REAIS”.

Para evitar problemas, ao receber uma nota de R$200, a recomendação prática é sempre checar pelo menos três desses elementos.

A nota de R$200 faz parte da Segunda Família do Real – são as cédulas que começaram a ser produzidas em 2010. Existem algumas maneiras de identificar notas falsas deste grupo (veja todas).

Por que a nota de R$200 foi criada?

Em julho de 2020, o Banco Central apresentou o cenário de entesouramento que o Brasil passa desde que a pandemia do coronavírus começou como o principal motivo para a criação da nota de R$200. Em outras palavras, as pessoas estão guardando mais dinheiro físico, gerando uma demanda maior de papel-moeda.

Isso significa que as cédulas estão sendo mais armazenadas e menos gastas – e, portanto, não estão circulando com tanta velocidade, demandando mais das casas impressoras e empresas que participam da logística de entrega.

Essa situação, associada com os pagamentos do auxílio emergencial e do FGTS emergencial, aumentou a demanda por dinheiro vivo.

“A criação da nota de R$200 foi uma resposta do Banco Central às mudanças provocadas pela pandemia do novo coronavírus”, disse o presidente do Banco Central durante o lançamento. “Esse momento, com essas necessidades, se mostrou oportuno”

De acordo com o Banco Central, em 2019, o pico máximo de dinheiro físico circulando foi de R$281 bilhões. Em 2020, a projeção do Banco Central era de R$301 bilhões em dezembro, época mais aquecida da economia por causa das compras de fim de ano. Mas a pandemia quebrou esse cenário: um pico de R$342 bilhões já havia acontecido antes do fim do ano.

Neste cenário, o BC diz que decidiu se antecipar a um possível aumento ainda maior de demanda. A diretoria afirmou que a quantidade de papel-moeda em circulação está adequada às necessidades da população, mas não é possível saber por quanto tempo o entesouramento continuará.

 

Publicidade