PCMG apreende quase 300 kg de maconha em Juiz de Fora - Portal MPA

Publicidade

PCMG apreende quase 300 kg de maconha em Juiz de Fora

Postado em 11/08/2021 10:14

PCMG apreende quase 300 kg de maconha em Juiz de Fora

Na terça-feira (10/8), a Polícia Civil de Minas Gerais apreendeu quase 300 quilos de maconha, uma arma de fogo com 26 munições, dois carregadores, um veículo utilizado no transporte de entorpecentes, balança de precisão e cadernos com anotações relacionadas ao tráfico de drogas, durante operação realizada no município de Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira. Um suspeito de 33 anos também foi preso pela prática do crime de tráfico.

Conforme informações do delegado Rogério Woyame, a ação ocorreu durante diligências realizadas pela Delegacia Especializada de Repressão a Roubos. “Na segunda-feira (9/8), os policiais civis receberam informações de que um carregamento de drogas teria chegado ao distrito de Torreões e passaram a monitorar a vizinhança para tentar identificar o imóvel exato em que os materiais estariam escondidos. Na ocasião, foram feitas uma série de diligências durante a noite e, após identificar a granja exata, a equipe manteve campana até que o homem de 33 anos chegou ao local e foi abordado pelos policiais”, disse, informando que, no imóvel, a droga foi encontrada armazenada em um quarto. No espaço também foram apreendidos cadernos com anotações relacionadas ao tráfico de drogas.

Em seguida, após trabalhos investigativos realizados para identificar o suspeito de ser o dono da droga, a PCMG conseguiu chegar até a residência dele, no bairro Santa Paula, onde foi apreendida uma arma de fogo – de origem tcheca-, munições, dois carregadores, e um caderno com anotações análogas àquelas encontradas na granja. Investigações apontam que o veículo apreendido na ação também pertence a esse suspeito, que, na ocasião, não foi encontrado em casa, mas responderá pela prática do crime de tráfico, associação para o tráfico e porte ilegal de arma de fogo. “Mais uma vez, a PCMG realiza grandes apreensões e se dedica a atribuir tais entorpecentes aos reais donos das drogas. São esses criminosos que realmente lucram com tais condutas e precisam ser levados a julgamento por seus crimes”, concluiu.