Sem data para o 13º: Pimentel encerra mandato devendo abono e deixa servidores em apuros

Postado em 30/12/2018 10:06

Os servidores públicos de Minas Gerais não vão passar o Ano Novo como gostariam, pois sem data para décimo terceiro, o Governador de Minas, Pimentel, encerrou seu mandato devendo o abono e deixou os servidores prejudicados.

Além do drama de ter o salário parcelado todos os meses desde 2016, os funcionários do Estado encontram dificuldades para pagar as contas neste fim de ano e muitos recorrem a empréstimos para honrar compromissos já assumidos. 

O anúncio de que a gestão de Fernando Pimentel (PT) não vai pagar o abono natalino dos servidores foi feito ontem. Em nota, o chefe das Relações Trabalhistas do governo do Estado, Carlos Calazans, afirmou que “apesar de todos os esforços financeiros realizados”, a gestão não conseguiu viabilizar o pagamento do benefício em 2018. 

Assim, a quitação do 13º foi empurrada para o governador eleito, Romeu Zema (Novo), que toma posse em 1º de janeiro já com a missão de sanar o débito com o funcionalismo estadual. A conta gira em torno de R$ 2,1 bilhões. 

Em nota, a assessoria de Zema informou que “o governo eleito lamenta a falta de pagamento”, mas que só iria “se pronunciar oficialmente sobre o calote no 13º dado pela gestão petista quando tiver acesso ao fluxo de caixa e às reais condições financeiras do Estado”.

Para Geraldo Antonio Henrique da Conceição, diretor do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais (Sindpúblicos), a falta de dinheiro não é explicação para o descumprimento do pagamento do 13º.  Ele faz alguns questionamentos: “Você tem visto alguma empreiteira reclamando que não recebeu do governo estadual? O servidor não foi prioridade”, declarou.

 .

Foto: Ilustrativa

 

 

Veja também
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com