Operação da Polícia Civil prende 13 e cumpre mais de 40 mandados de busca na região Centro-Oeste - Portal MPA

Publicidade

Operação da Polícia Civil prende 13 e cumpre mais de 40 mandados de busca na região Centro-Oeste

Postado em 30/04/2021 15:46

 

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), com apoio do Ministério Público e das Polícias Militar e Penal, deflagrou, na manhã desta sexta-feira (30/4), a operação Leão de Nemeia, visando desarticular organização criminosa voltada ao tráfico de drogas e lavagem de dinheiro na região Centro-Oeste do estado. Até o momento, 13 pessoas foram presas e 42 mandados de busca e apreensão, cumpridos.

Advertisement

A ação, realizada nos municípios de Arcos, Campos Altos, Córrego Fundo, Formiga e Pimenta, contou com a presença do secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Rogério Greco, da secretária executiva de Segurança Pública, Tatiana Telles, e do chefe da Polícia Civil de Minas Gerais, Joaquim Francisco Neto e Silva.

Durante as investigações foram apreendidos mais de 16 quilos de drogas, veículos, R$ 21.323 em dinheiro, celulares, balanças de precisão, cheques, televisão, sons automotivos, tablets, munições, além de cofres e documentos diversos.

 

Investigações

A operação é resultado de investigações que duraram mais de um ano. Segundo o delegado Danilo César, que coordenou a ação, por meio do serviço de inteligência da Polícia Civil, com auxílio do Ministério Público e da Polícia Militar, foi identificada uma intensa articulação criminosa que movimentou mais de R$ 40 milhões. O grupo era estruturado com divisões de tarefas, tais como o recebimento, fracionamento, distribuição e comercialização da droga em larga escala.

As investigações apontam que 95% das drogas comercializadas em Formiga eram fornecidas pela organização criminosa, que atuava também nas cidades de Divinópolis, São João del-Rei e outros municípios da região Centro-Oeste. Os levantamentos indicam, ainda, que as substâncias ilícitas eram adquiridas nos estados do Rio de Janeiro e Mato Grosso. “Nos chama a atenção a audácia desses indivíduos, que esconderam parte do entorpecente em meio a apiários de abelhas, cultivados em uma mata na zona rural de Córrego Fundo”, revela o delegado Danilo César.

O promotor de Justiça Ângelo Ansanelli explica que durante toda a investigação foi possível identificar que empresas de outros estados, como Mato Grosso, estão envolvidas nos crimes e eram usadas para lavar dinheiro dos suspeitos de tráfico.

 

Integração

O secretário de Justiça e Segurança Pública, Rogério Greco, afirmou que a operação é mais uma dentre muitas que estão sendo realizadas com êxito a partir da integração das forças de segurança. “Esta é mais uma das ações integradas que a Secretaria de Justiça e Segurança Pública tem promovido visando o combate às organizações criminosas. Unidos somos mais fortes”, observa.

Para o chefe da Polícia Civil de Minas Gerais, Joaquim Francisco Neto, foi uma satisfação participar dessa ação. “Viemos com a finalidade de parabenizar e de apoiar a todos os policiais envolvidos. Que a gente continue assim, executando grandes operações integradas e com excelentes resultados”.

Segundo o chefe do 7º Departamento de Polícia Civil, delegado Flávio Destro, “ações como esta, demonstram que as instituições estão agindo, diuturnamente, de forma integrada, no combate à criminalidade organizada, sobretudo aos crimes violentos e ao tráfico de drogas”, destaca.

Nesse mesmo sentido, o delegado regional Tiago Ludwig informa que “a Polícia Civil vem intensificando as ações de combate à criminalidade organizada, trazendo ao cidadão de Formiga e região a tão merecida paz social”. O comandante do 63º Batalhão da Polícia Militar, Tenente Coronel Fábio Gotelip, ressaltou o trabalho de planejamento estratégico entre as instituições para execução da operação.

Após formalização dos procedimentos, os suspeitos foram encaminhados ao sistema prisional. Foram empenhados na operação um promotor de Justiça e 200 policiais, em 50 viaturas. A ação contou ainda com o apoio aéreo da Coordenação Aerotática (CAT) da PCMG, da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (Core) da PCMG, além do Canil da PCMG e da Policia Penal. As investigações continuam.

 

Comente! *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Publicidade
Veja também
Publicidade
Publicidade
Publicidade
plataforma ead
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!