Publicidade

Empresário é acusado de ficar com jóias e relógios de clientes, caso é investigado pela Polícia Civil de Divinópolis

Postado em 18/11/2020 16:34

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) cumpriu, nesta quarta-feira (18/11), em Divinópolis, região Centro-Oeste do estado, mandado de busca e apreensão na residência de um homem, de 45 anos, suspeito de estelionato. Durante a ação foram recuperados relógios e joias.

As investigações tiveram início a partir de denúncias realizadas pelas vítimas à PCMG. Segundo elas, foram entregues ao investigado joias para consertos, além de ouro para confecção de peças, porém, não tiveram as peças restituídas.

Outras vítimas informaram que compraram alianças, efetuaram o pagamento, contudo, ao retornarem à loja para receber a mercadoria, recebiam uma nova previsão de entrega, até que o estabelecimento encerrou suas atividades, sem o devido ressarcimento aos clientes.

As investigações apontam que o suspeito propunha indenização pelos prejuízos às vítimas que lhe procuravam. No entanto, os pagamentos foram realizados com cheques de terceiros, que não foram compensados devido ao talão possivelmente ter sido extraviado.

Já para outras vítimas, o empresário teria forjado pagamentos, por meio de depósitos bancários, apresentando comprovantes das transações. Porém, os envelopes utilizados para as transações estavam vazios. Segundo apurado pela PCMG junto à Receita Federal, a empresa do investigado está inapta desde 24/01/2019.

De acordo com a delegada responsável, Adriene Lopes, as investigações apontam que o investigado obteve vantagem ilícita em prejuízo das vítimas. “Elas tiveram que suportar um prejuízo considerável, muitas, além do financeiro, também o sentimental, vez que entregaram a ele ouro ou joias antigas de família para que fossem transformadas em outras peças e nunca mais viram suas relíquias. Outros, pagaram por alianças que não foram entregues”, conta.

Ainda segundo a delegada, ao final do inquérito o suspeito poderá responder pelos crimes de estelionato e apropriação indébita, em suas formas consumadas. Ela informa que os relógios e joias apreendidos poderão ser restituídos aos seus donos, mediante algum meio de comprovação de propriedade.

As investigações foram conduzidas pela equipe de Estelionato e Outras Fraudes.

Comente! *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Publicidade
Veja também
Publicidade

Noticias relevantes:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!