PF de Divinópolis cumpre mandado em operação que investiga a clonagem de mais de 3 mil veículos do Exército - Portal MPA

Publicidade

PF de Divinópolis cumpre mandado em operação que investiga a clonagem de mais de 3 mil veículos do Exército

Postado em 25/02/2022 14:23
Publicidade

 

A Polícia Federal de Divinópolis cumpriu um mandado de busca e apreensão, nesta quinta-feira (24),  na cidade de Piumhi, durante a operação ‘Fiat Lux’ que investiga a clonagem de 3,3 mil veículos do Exército.

Os trabalhos foram comandados pela Polícia Federal do Distrito Federal com apoio da corporação de Divinópolis. 

De acordo com a PF, ao todo, foram identificados cerca de 10 mil adulterações no sistema veicular brasileiro. O prejuízo soma mais de R$ 500 milhões. Foram descobertos suspeitos em pelo menos 11 estados.

Segundo os investigadores, as clonagens dos chassis do Exército só foram possíveis porque contaram com a participação de servidores do Detran e de despachantes. A investigação não aponta a participação de integrantes do Exército nas fraudes.

A polícia não informou quais materiais foram apreendidos no Centro-Oeste de Minas.

A pedido da PF, a Justiça afastou das funções 95 servidores do Detran. Desse total, 85 atuam no Detran-SP; sete no Detran-TO; e três no Detran-MG. Cerca de 20 despachantes também foram afastados das funções no estado de São Paulo. A Justiça também determinou a suspensão imediata de uma empresa licenciada para realizar laudos de vistoria para o Detran-SP.

O inquérito policial, instaurado no fim de 2020, teve origem após a detecção da clonagem de veículos do Exército. Segundo a polícia, os criminosos também criavam veículos fictícios no Sistema Federal da Secretaria Nacional de Trânsito, permitindo a realização de financiamentos e a participação em consórcios. Esses automóveis eram dados como garantia em operações financeiras.

 

 Em dez meses de atuação, foram recuperados R$ 35 milhões em veículos – entre eles caminhões, caminhonetes e automóveis de luxo. Os suspeitos poderão responder pelos crimes de inserção de dados falsos, financiamento fraudulento, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

A ação ocorreu simultaneamente, em 11 estados:

 

  • São Paulo
  • Minas Gerais
  • Tocantins
  • Pará
  • Mato Grosso do Sul
  • Goiás
  • Paraíba
  • Ceará
  • Paraná
  • Pernambuco
  • Maranhão

Publicidade