Jusa Fonseca é campeão Júnior 2016

Postado em 13/09/2016 9:00

Luciano Eurides

O Jusa Fonseca se tornou campeão júnior do ano de 2016, uma tarefa dificultada na grande final pelo Fluminense de São José dos Salgados. Depois de um empate em 1×1 nos dois jogos das finais, nas cobranças de tiro livre da marca do pênalti, o Jusa teve 100% de aproveitamento e o Tricolor não teve a mesma sorte, desperdiçou duas cobranças e o título fica em Divinópolis. A partida foi realizada na manhã do último domingo, dia 11 de setembro, no Jusão.

A competição contou com quatro diferentes escolas da cidade. Associação entrou com uma equipe de formação, com atletas bem novos, uma semente plantada por Abdala e que Sérgio cuida com muito esforço. O PEC com tradição, força e pouca sorte, teve azar em alguns resultados e Amaury Reis continua o Projeto que já é uma realidade dentro de Divinópolis. O Fluminense de Salgados que foi um adversário difícil de ser batido, cresceu demais nas partidas finais e o vice-campeonato foi lamentado pela qualidade da equipe. O Jusa Fonseca que mantém uma base sólida e esse detalhe rendeu o título.

Na partida final o Fluminense entrou alucinante. Encarou o adversário, adiantou a marcação e forçou o erro do Jusa e desperdiçou uma grande chance logo no começo da partida. Manteve a marcação alta, não deixava o Jusa ficar com a bola. A soma de todas essas qualidades rendeu o primeiro gol. Foi um acúmulo de raça e técnica. A roubada de bola, Iguinho recebeu entre os zagueiros, na saída do goleiro de cabeça deu um chapeuzinho completado com um chute de direita para estufar as redes e marcar o primeiro gol do jogo. O jogo ficou muito truncado e até mesmo com algumas jogadas mais forte. No final do primeiro tempo Mateus Deodato enfiou a bola no meio, rasgando a marcação do Fluminense. Danilo tocou para Leo Roque que desperdiçou o gol mais feito do jogo.

No segundo tempo o Jusa estava mais estruturado psicologicamente, conseguiu o empate. Léo Amaral colocou a bola na área, a defesa do Fluminense afastou, mas houve a recuperação e o cruzamento para Leo Roque de cabeça fazer o gol de empate. No momento houve uma reclamação do Tricolor, mas pelo vídeo, é possível afirmar a legitimidade de todo o lance. A partir desse momento as chances foram para os dois lados. Especialmente em cobranças de faltas, em uma delas acertou o poste, a direita do goleiro Diego. Houve momentos de pressão do Jusa e também do Fluminense. Final novo empate e a decisão nos tiros livres da marca do pênalti.

Logo na primeira cobrança o atleta do Fluminense jogou para fora. Pelo Jusa 100% de aproveitamento o goleiro Tevinho esteve próximo de defender a cobrança de Gustavo Fiori, mas nova penalidade desperdiçada pelo Fluminense e Gelson fez o gol do título.

O treinador Acerola, da equipe do Jusa Fonseca garante que irá manter a equipe para o amador. “O trabalho bem feito e que deu resultado, só não esperava ser tão sofrido e isso nos faz valorizar ainda mais. Tem de ressaltar a qualidade e vontade do time deles, tiveram muita vontade sempre”, falou e sobre ter saído atrás no marcador o treinador disse ter sido tranquilizado pelo próprio time. “O coração dispara a pressão sobe, mas os meninos são bons e eles me tranquilizam e mantemos o time para o amador e júnior do ano que vem”, ressaltou

O atleta Gelson considerou a experiencia em momentos decisivos. “Temos um frupo qualificado e para esse jogo não se podia mudar a estrutura do time, mas no final me deram a oportunidade e graças a Deus pude converter um pênalti. No momento passa pela cabeça da gente um pouco da história, os pênaltis já perdidos e convertidos, graças ao Bom Jesus pude converter, sair para o abraço e ser campeão. Dentro de casa é totalmente diferente e até estávamos com a cabeça fora de campo, mas depois tudo se tranquilizou e pude transmitir alguma coisa para eles e quero ficar no time. Grupo muito bom e me abraçou”, declarou.

Definir o poder de uma vitória não é fácil e na fala de Gelson isso ficou mais claro. Na qualidade, vontade e físico, as duas equipes são iguais, isso provado em números. Foram quatro jogos entre as equipes, dois empates e uma vitória para cada lado. O detalhe da tranquilidade na hora das cobranças de penalidades, vem de experiências anteriores. O Jusa esteve e está em outras competições, isso deu aos atletas uma vivência maior, uma rodagem. Aproveitou-se atletas formados em várias escolas de futebol de Divinópolis para se chegar ao elenco vencedor. Entre eles Léo Amaral que se encaixou perfeitamente ao time.

O Fluminense chorou a derrota. Esse choro foi de desabafo por tamanha dedicação e por saberem que são capacitados ao título. Na fase de classificação perderam para o Jusa, em Salgados por 4×0. Depois vieram no jusão e ganharam de 3×2. Deu forças, o time cresceu. Na grande final era uma equipe altamente em condições de ser campeã. Fez uma apresentação muito boa insistência nesta equipe, preparando eles em conjunto, este elenco é poderoso. Entre eles Ytallo que também se encaixou perfeitamente no time, que já tem Iguinho, tradicional na equipe e mostrou uma vontade descomunal na grande decisão.

A lamentar apenas a pouca quantidade de jogos. Partidas bem jogadas, com equipes respeitando-se mutuamente, mas ao mesmo tempo, impondo raça. São raras de serem vistas, e essa foi uma delas.

Matéria vinculada Rádio Minas

.

 

Veja também
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com