Estudantes manifestam contra PEC 241 e reforma do Ensino Médio no Centro de Divinópolis

Postado em 29/10/2016 9:03

Foi realizada na tarde da última sexta-feira (28) uma manifestação de estudantes que ocuparam escolas em Divinópolis como forma de protesto a aprovação da PEC 241, que limita os gastos públicos por 20 anos e a reforma do ensino médio. Os estudantes se concentraram no quarteirão fechado da rua São Paulo e seguiram pela Avenida Primeiro de Junho até a rua Goiás. De lá, continuaram o trajeto até a Avenida Sete de Setembro, quando retornaram pela rua Pernambuco, Getúlio Vargas, Itapecerica e Primeiro de Junho. Em frente a Escola Estadual Joaquim Nabuco, os estudantes cantaram o hino nacional e foi encerrada a manifestação, que teve apoio da Polícia Militar a partir da rua Goiás.

De acordo com uma das líderes da manifestação, a estudante de História da UEMG, Amanda Freitas, o manifesto teve a participação de pelo menos 600 pessoas, entre estudantes da UEMG, UFSJ e das escolas estaduais Joaquim Nabuco, Antônio Belarmino Gomes, Santo Tomaz de Aquino e Dona Antônia Valadares. “A intenção dessa manifestação é reivindicar os nossos direitos. É dizer não a PEC que vai congelar os gastos da educação e que todos os estudantes e toda área da saúde vai ser prejudicada. Foi uma das manifestações mais bonitas que já vi em Divinópolis. Das que eu participei desde que cheguei aqui, foi a melhor. Gostaria de parabenizar os secundaristas pela atitude, resistência, pela força e por todo o conhecimento que passaram pra gente”, disse.

O protesto teve a participação de alguns pais, que acompanharam a manifestação. Patrícia Fagundes é historiadora e mãe de uma aluna do curso de Farmácia da UFSJ e lembrou da luta dos brasileiros para as Diretas Já e o período da ditadura militar no país. “Sou oriunda da ditadura, pelas Diretas Já, sou historiadora e a gente lutava muito por isso. A reforma do ensino médio deveria ter sido discutida com os alunos, que é o principal foco. Tudo que um país faz, (tem que ter) o cidadão em primeiro lugar. Ela não tem que vir de cima. Quem vai ser atingido somos nós. E a prioridade hoje em dia sem educação e sem saúde, o país não sobrevive para nada. Infelizmente, o nosso país está entrando em retrocesso, se ela (PEC 241) for aprovada”, explicou.

Ocupação e desocupação de escolas

Durante a manifestação, representantes de escolas estaduais de Divinópolis e a União Estudantil Divinopolitana (UED) comunicaram a ocupação e desocupação de algumas escolas. As escolas Antônio Belarmino Gomes, no distrito de Santo Antônio dos Campos (Ermida) e Manoel Corrêa Filho, no Planalto já tiveram a ocupação definida. Já a escolas Monsenhor Domingos, no bairro Santa Clara e Joaquim Nabuco, no Centro foram desocupadas. No caso da Monsenhor Domingos, a desocupação se deu após uma assembleia. Já no Joaquim Nabuco, um acordo já havia sido firmado entre as líderes do movimento com a direção da escola para que a instituição fosse desocupada na sexta-feira (28). De acordo com o presidente da União Estudantil Divinopolitana, André Luis, neste sábado (29) e na segunda-feira (31), outras escolas estaduais como Dona Antônia Valadares, no Centro; Santo Tomaz de Aquino, no Porto Velho e Martin Cyprien, no São José. “Como união estudantil, estamos desenvolvendo trabalho junto a outras escolas, aproveitando as lideranças tanto do Joaquim Nabuco quanto do Monsenhor Domingos para que eles possam junto com a UED fomentar base com as outras escolas, para que esses alunos tenham autonomia para definir se ocupam ou não a escola deles. Pelo menos a coordenação da ocupação do Joaquim Nabuco fez um compromisso de que elas sabem que conseguem contribuir mais. Fizeram o compromisso de estarem a semana toda visitando as escolas, explicando como é a experiência de uma ocupação e dar um apoio geral aos estudantes”, explicou.

Ocupação na E.E Antônio Belarmino Gomes

Com relação a Escola Estadual Antônio Belarmino Gomes, no distrito de Ermida, a União Estudantil disse ter sido informada que já havia sido realizada uma assembleia na sexta-feira (28), definindo a ocupação. No entanto, durante a manifestação, o presidente da UED, André Luis disse não ter sido informado se os estudantes receberam as chaves da escola para a ocupação, por isso, existe a possibilidade da escola ser ocupada a partir de segunda-feira (31). Segundo Caio Fonseca, após a definição da ocupação em assembleia, os alunos vieram para Divinópolis, quando acompanharam a manifestação e tiveram contato com líderes de escolas já ocupadas. “Passamos para os alunos, conscientizamos os alunos o que é a ocupação, como irá acontecer nos próximos dias. Acompanhamos a manifestação com as demais escolas estaduais, para saber como está sendo organizado esse movimento para trazer para a nossa escola. Convidamos alunos do Joaquim Nabuco, conversamos com alguns líderes e também do Santo Tomaz de Aquino para conscientizar para ficar mais informado e atualizado, sobre organização da ocupação que estamos fazendo”, disse.

 

Veja também
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com