Publicidade

A busca pelo auxílio se tornou hoje o assunto mais demandado na justiça brasileira

Postado em 31/08/2020 18:51

Um acordo de cooperação foi assinado pelo Conselho Nacional de Justiça e o Ministério da Cidadania, nesta segunda-feira(31), para cruzar informações das ações judiciais sobre o auxílio emergencial com os bancos de dados do Dataprev, órgão responsável por processar os dados para liberação do benefício.

Dos mais de 94 mil processos abertos na Justiça relacionados à covid-19, 60% são ações questionando o auxílio emergencial. A busca pelo auxílio se tornou hoje o assunto mais demandado na justiça brasileira.

A coordenadora do Comitê de Crise do Conselho Nacional de Justiça, a conselheira Maria Tereza Uille Gomes, conta que o número de ações relacionadas ao auxílio se multiplica diariamente e que o acordo com o Executivo visa dar celeridade na resolução dos casos.

A Defensoria Pública já abriu 87 mil processos internos sobre auxílio emergencial e ingressou com mais de 16 mil ações na Justiça por causa do não pagamento do benefício.

O defensor nacional de direitos humanos da Defensoria Pública da União, Atanasio Lucero, explica que o principal obstáculo para liberação do auxílio emergencial ocorre por causa das mudanças na composição familiar de quem solicita o recurso.

O trabalhador que tiver o pedido negado, mas acredita ter direito ao recurso pode tentar resolver diretamente com o Ministério da Cidadania, que criou um canal de diálogo só para o auxílio emergencial.

Outra alternativa é buscar reparar o direito pela Defensoria Pública ou diretamente na Justiça Federal, por meio dos Juizados Especiais, não sendo necessário ter advogado para entrar com o processo neste caso.

 

Comente! *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Publicidade
Veja também
Publicidade

Noticias relevantes:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!