fbpx
Pular para o conteúdo
  • Home
  • Divinópolis
  • Dengue: número de casos confirmados sobe para 714 em Divinópolis

Dengue: número de casos confirmados sobe para 714 em Divinópolis

Image
Foto PMD/Dengue

Foto PMD

Moradores de Divinópolis devem ficar atentos, porque a cada dia sobe o número de casos da dengue. Conforme atualização do boletim, são 714 casos confirmados da doença na cidade.

O bairro mais afetado é o Santa Rosa com 135 casos confirmados. A área central tem 46 casos confirmados, seguidos dos bairros Interlagos, Belvedere e Sagrada Família. O carro fumacê continua circulando em bairros como forma de prevenção e combate a doença. Confira boletim completo:

Casos notificados: 1.525
Casos confirmados: 714
Hospitalizações: 53
Óbitos: 0
 
Bairros com casos confirmados:
Santa Rosa: 135
Centro: 46
Interlagos: 29
Belvedere: 25
Sagrada Família: 24
Nações: 18
Dona Rosa: 17
Planalto: 17
Paraíso: 17
São José: 17
 
Os dados são referentes ao período de 1 de janeiro a 16 de março de 2023.

Sintomas e evolução da doença

A dengue pode variar desde uma doença assintomática (ou seja, sem manifestação de sintomas), até quadros graves com hemorragia e choque, podendo causar morte.



Normalmente, o primeiro sintoma da dengue é a febre alta (39° a 40°C) de início repentino, que geralmente dura de 2 a 7 dias, acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos e erupções cutâneas. Também é comum ocorrerem náuseas e vômitos, que resultam em perda de peso.



Nessa fase febril, é difícil diferenciar a doença de outras enfermidades. Por isso, é importante consultar um médico em caso de suspeita.

No período de diminuição ou desaparecimento da febre, a maioria dos casos evolui para a recuperação e cura da doença. Porém, algumas situações podem evoluir para as formas mais graves da doença, apresentando os seguintes sinais de alarme:

  • Dor abdominal intensa e contínua, ou dor quando o abdome é tocado;

  • Vômitos persistentes;

  • Acúmulo de líquidos;

  • Sangramento de mucosas (principalmente nariz e gengivas);

  • Letargia (perda de sensibilidade e movimentos) ou irritabilidade;

  • Hipotensão postural (tontura e queda de pressão em determinadas posições)

  • Hepatomegalia (aumento do fígado) maior do que 2 cm;

  • Aumento progressivo do hematócrito (porcentagem de glóbulos vermelhos ou hemácias no sangue).

Nos casos mais graves, esses sintomas resultam em choque, que acontece quando um volume crítico de plasma é perdido. Os sinais desse estado são pulso rápido e fraco, diminuição da pressão, extremidades frias, pele pegajosa e agitação. Alguns pacientes podem ainda apresentar manifestações neurológicas, como convulsões e irritabilidade. O choque tem duração curta, e pode levar ao óbito em 12 a 24 horas, ou à recuperação rápida, após terapia anti-choque apropriada.