Diretoria do HSJD busca recursos para resolver crise e continuar atendimento público

Postado em 14/01/2016 17:11

Fotografia Fonte Facebook Vereador Edmilson Andrade

Foi realizada nesta quinta-feira  uma reunião convocada pelo Ministério Público de Minas Gerais – MPMG, com diversos representantes e autoridades municipais e estaduais com o objetivo de discutir assuntos relacionados à crise econômico-financeira do maior hospital do centro-oeste de minas, o Hospital São João de Deus.

LEIA TAMBÉM: HOSPITAL SÃO JOÃO DE DEUS PODE SER VENDIDO E DEIXAR DE ATENDER PACIENTES DO SUS

Estiveram presentes na sede do Ministério Público, os Promotores de Justiça, Dr. Sérgio Gildin e Dr. Ubiratan Domingues, o Deputado Federal, Domingos Sávio (PSDB/MG), o Sócio/Diretor da DICTUM, Áriston de Oliveira Silva, a Superintendente da Gerência Regional de Saúde, Gláucia Sbampato, o Secretário Executivo do CIS-URG, José Márcio Zanarde, o Secretário Municipal Saúde, David Maia, o Prefeito de Divinópolis, Vladimir Azevedo, o Assessor do Deputado Federal Jaime Martins (PSD/MG), Hélio Alves, a Procuradora Adjunta do Município de Divinópolis, Dra. Ivy Araújo de Oliveira, a Procuradora do Ministério Público do Trabalho de Divinópolis, Florença Dumont Oliveira, o Presidente da Comissão de Saúde da Câmara, Edimilson Andrade e o Presidente da Câmara de Divinópolis, Rodrigo Kaboja.

No encontro que durou aproximadamente 4 horas, também foi pautada a carta enviada pela Ordem Hospitaleira de São João de Deus ao Ministério Público, solicitando a extinção da Fundação Geraldo Corrêa, mantenedora do Hospital São João de Deus.

Durante a reunião, que transcorreu de forma harmônica entre os participantes, ficou definido que os representantes de cada órgão/instituição ali presentes levariam ao conhecimento do Secretário Estadual de Saúde, Sr. Fausto Pereira dos Santos, os pleitos do Hospital São João de Deus visando a manutenção dos serviços na unidade de saúde.
               

Sobre a extinção da Fundação Geraldo Corrêa, o Promotor Sérgio Gildin, informou que conforme carta documentada, os Irmãos representantes da Ordem Hospitaleira de São João de Deus pretendem de fato se afastarem do HSJD, porém a decisão final sairá de um novo encontro com o Superior Provincial da Ordem Hospitaleira, Ir. Vítor Lameiras, a ser realizada no final deste mês de janeiro.

Por fim, a direção do Hospital São João de Deus, agradeceu o empenho e a dedicação de cada um dos participantes para a solução definitiva da crise do Hospital São João de Deus. “Somente a união de todos poderá dar continuidade à esta obra tão importante para a comunidade de Divinópolis e região”, finalizou o sócio/diretor da DICTUM, Áriston de Oliveira Silva.      

Deputado cobra posicionamento mais firme por parte do Governo de Minas

Domingos Sávio foi categórico em afirmar que salvar o Hospital São João de Deus equivale a salvar vidas e que sua manutenção, precisa de uma solução definitiva. “A situação atual é mais grave do que nunca, pois desta vez, os representantes da Ordem Hospitaleira, responsáveis por diretos na Fundação Geraldo Corrêa, comunicaram formalmente ao Secretario de Estado da Saúde e ao MP que, caso não haja uma solução definitiva para equilibrar as contas do hospital, ele pretendem liquidar a fundação e parar as atividades a partir do dia primeiro de fevereiro”, lamentou.

Diante deste fato gravíssimo o deputado sugeriu, endossado pelos demais presentes na reunião, que em caráter de urgência fosse realizada uma reunião com o Secretario de Estado, Fausto Pereira dos Santos, para se cobrar do Governo do Estado e do Governo Federal as devidas providências para garantir a continuidade do funcionamento do HSJD, seja formalizando uma parceira com a entidade ou o Governo do Estado assumindo o comando daquela instituição. “O que não se pode aceitar é o simples fechamento do hospital. Deve-se levar em conta que ele é uma instituição privada sem fins lucrativos e por esse motivo, o Governo do Estado deve decidir se apoia e fortalece a instituição ou se assume o comando do hospital. O que é inaceitável é deixar uma região com mais de um milhão de habitantes sem os serviços do único hospital geral de média e alta complexidade que atende pelo SUS”, revelou.

O deputado federal esclarece que esta obrigação de garantir atendimento a saúde, especialmente na atenção hospitalar é prioridade do Estado e da União, uma vez que pela organização do Sistema Único de Saúde – SUS cabe aos municípios, prioritariamente, a chamada atenção primária ou atenção básica, que é realizada nos postos de saúde ou unidades básicas de saúde. “Venho lutando desde o início pela construção de um hospital público que já deveria estar pronto, mas atualmente o que vemos são as obras quase parando, pois o Governo do Estado na atual gestão não está cumprindo o seu compromisso com esta obra imprescindível para a região. O governo anterior aplicou cerva de sessenta milhões de reais na obra deixando-a quase pronta e ainda um convênio assinado, que foi parcialmente pago, ficando como restos a pagar para o ano de 2015, aproximadamente, vinte milhões. Deste valor, o atual governo enviou somente dois milhões, demonstrando total descaso com uma obra essencial para a nossa região”, revelou.

Domingos Sávio salientou que o destaque da reunião foi o acordo de que será mantido um espírito suprapartidário de união para a garantia do apoio político necessário que garanta a continuidade do funcionamento da instituição que, embora não seja pública, é sem duvida, de relevante interesse público. “Todos os agentes públicos da cidade sabem e concordam que não podemos mais levar medidas paliativas para apresentar ao Governo e que independente de partido, posicionamento ou quaisquer outros fatores externos, há estudos detalhados que a macrorregião de saúde de Divinópolis necessita dos nossos dois hospitais: manter o HSJD funcionando para média e alta complexidade – que o farão ser auto-suficiente – e transferir para o Hospital Público as atividades como maternidade, clínica geral e outras especialidades. Nesta audiência devemos deixar claro, de forma suprapartidária, que estamos todos unidos em defesa do HSJD e não podemos aceitar seu fechamento, assim como vamos batalhar, ainda mais, pelo Hospital Público”.

Uma pré-agenda foi acordada entre os presentes para o dia 22 de janeiro e aguarda o aceite do Secretário de Saúde de Estado, Fausto Pereira dos Santos.

Veja também
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com