Depois de firmar acordo com Araújo promotoria vai intensificar investigação em Divinópolis

Postado em 13/03/2019 7:50

A drogaria Araújo foi à primeira empresa a ter de se adaptar a regra imposta pela promotoria. A empresa se comprometeu suspender o recolhimento de CPF dos consumidores. O acordo foi firmado junto ao Programa de Proteção e Defesa do consumidor (PROCON) e com o Ministério Público de Minas Gerais.

Em dezembro de 2018, a drogaria foi condenada a pagar uma multa de mais de 7 milhões por condicionar descontos ao fornecimento do CPF no ato da compra, sem dar informações adequadas sobre a abertura de cadastro.

De acordo com a decisão, a prática viola o direito do consumidor à informação clara sobre o serviço ofertado e sobre os riscos à segurança de dados. No entendimento do promotor eles são vulneráveis e não estão livres de ataques.

A decisão da justiça e o posicionamento do MP abrem agora precedentes para que outras empresas sejam obrigadas a se adaptar. Segundo o promotor de Divinópolis Sergio Gildin a investigação será aprofundada na cidade.

Veja também
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com