Cerca de 40 escolas do SESI e do SENAI podem ser fechadas em Minas Gerais

Postado em 14/10/2015 10:22

Olavo Machado Junior

O presidente da FIEMG, Olavo Machado Junior (foto), participa nesta quinta-feira (08), de uma reunião da Confederação Nacional das Indústrias (CNI), em Brasília, para discutir como impedir o avanço da proposta do governo federal de redução de 30% nos repasses ao Sistema S. A proposta foi anunciada no mês passado pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, como forma de compensar o rombo de caixa do governo Federal.

 

O corte proposto teria impacto em todas as escolas do SESI e do SENAI do país, atingindo investimentos na área de educação básica e profissional e provocando redução no número de vagas oferecidas. “Temos cerca de 200 escolas espalhadas pelo estado e na primeira análise que fizemos, cerca de 40 ficariam comprometidas com esse corte. Se houver a necessidade, faremos isso com responsabilidade, não há condições de, amanhã, passar um cadeado nas escolas e falar que acabou”, reforça Olavo Machado Junior.

 

O presidente da Fiemg explica que há uma distorção no entendimento do ministro Joaquim Levy. O governo entende erroneamente que os recursos do Sistema S são públicos, quando na verdade, os valores arrecadados pelas entidades vêm da contribuição sobre a folha de salário da indústria, e são destinados pela Constituição para o financiamento das atividades das entidades.

Veja também
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com