São Paulo abre o placar mas Atlético vira o jogo e cola no G-4

Postado em 04/08/2016 21:32

O Atlético-MG chegou com tudo na briga pelo título do Campeonato Brasileiro. Nesta quinta-feira, o time de Belo Horizonte superou um início ruim e venceu o São Paulo de virada por 2 a 1, em pleno Morumbi, em partida válida pela 18ª rodada do torneio.

A partida marcou a despedida do técnico Edgardo Bauza, que comandou o clube tricolor pela última vez. Agora, ele se despede da equipe e vai assumir a seleção da Argentina, enquanto André Jardine, treinador do elenco sub-20, assumirá o time principal interinamente.

Para vencer na capital paulista, o “Galo” teve que criar forças para correr atrás do placar depois que o atacante argentino Chávez marcou um gol de placa. Observando o goleiro Victor adiantado, ele disparou um belo chute de longe e encobriu o adversário. Golaço!

Só que a alegria dos anfitriões durou pouco, e o Atlético mostrou o poder de seu ataque aos 11. Fábio Santos puxou pela esquerda e acionou Fred, que deu ótimo passe para Maicossuel. Aproveitando “sumiço” de Mena, o meia bateu cruzado e venceu o arqueiro Dênis.

Nove minutos depois, Pratto arrancou pelo meio, passou pelo lateral Buffarini, que fez sua esteria pelos tricolores, e deu um lindo chute colocado, na gaveta, para virar o marcador.

E o “Galo” só não foi em vantagem maior para o intervalo porque, no último minuto da primeira etapa, a arbitragem anulou gol legal de Fred, que marcou de cabeça, mas teve seu tento invalidado por impedimento. Contudo, o matador estava em posição legal no momento do lançamento para a área.

No segundo tempo, os mineiros começaram melhores, mas, dos 10 minutos para frente, o São Paulo dominou completamente a partida. O empate só não saiu porque o goleiro Victor teve uma atuação primorosa, impedindo cinco oportunidades claras dos paulistas marcarem.

A primeira defesa mais impressionante aconteceu aos 18 minutos, quando Maicon cabeceou, o zagueiro Erazo desviou e a bola ia morrendo no canto, mas o “Santo” atleticano voou para espalmar e salvar os visitantes de levarem o empate.

Depois, nos minutos finais, ele ainda mostrou reflexo absurdo para defender cabeçada à queima-roupa do garoto Luiz Araújo, praticamente na pequena área.

Com o resultado, o Atlético-MG vai a 32 pontos e fica em 5º lugar, colado no G-4, atrás apenas de Santos, Corinthians, Palmeiras e Grêmio. Já o São Paulo, que agora procura técnico para a sequência do Brasileiro, fica na modesta 11ª posição, com 23 pontos.

Na próxima rodada, o “Galo” recebe a Chapecoense, na segunda-feira, às 20h (horário de Brasília). Um dia antes, às 16h15, o clube paulista visita o Santa Cruz.

O JOGO

Devido ao caótico trânsito paulista, muitos torcedores ainda entravam no estádio quando o placar foi aberto. E quem não viu, perdeu uma chance de ouro, porque Andres Chavez fez questão de mostrar em um só lance como pode funcionar sua principal característica. Famoso por ser “chuta-chuta” na Argentina, o atacante, que fez sua estreia como titular nesta quinta-feira, percebeu Victor adiantado e emendou um petardo de canhota, ainda antes da intermediária ofensiva, para anotar seu primeiro gol com a camisa tricolor.

O gol aos 2 minutos deixou o Morumbi, longe de receber um público parecido com o de domingo, quando o recorde do campeonato foi batido, ensandecido. O Galo, no entanto, com tantos jogadores experientes, soube administrar o início avassalador dos mandantes e, aos poucos, foi se encontrando em campo.

Não demorou e o empate aconteceu. Em contra-ataque claramente armado, Hudson não leio a jogada e deixou de acompanhar Lucas Pratto, que entrou na área para afzer a vez de Fred, que abriu para receber. Com isso, Mena, teve de abandonar a lateral e Maicossuel para fechar o miolo. Com o sistema defensivo desmontado, Fred teve tempo para dominar e servir Maicossuel que, sozinho, bateu firme para o fundo do gol.

O São Paulo forçava as jogadas pelo lado direito, com Kelvin e Buffarini, que atua quase como um ponta antigo. Dali saiam as principais jogadas são-paulinas. O Atlético ficava na espreita, aguardando a melhor oportunidade. E o momento se repetiu aos 19 minutos. Novo contra-ataque. Dessa vez Pratto levou sorte ao tentar o passe. A bola bateu em Buffarini e ficou limpa para o atacante bater forte, no ângulo de Denis. Golaço e virada no Morumbi.

O jogo era bom, de qualidade técnica elevada, o que fazia com que qualquer erro fosse mais evidenciado. Atrás do placar, os jogadores do São Paulo acabavam errando mais naturalmente. A primeira etapa ainda reservou amis dois lances de perigo. Um com Michel Bastos, que finalizou de dentro da área para defesa de Victor, e outro já os acréscimos para gerar polêmica.

Robinho e Fabio Santos deixaram Buffarini e Hudson perdidos na marcação. O Rei das Pedaladas, então, viu Fred na área e alçou a bola. Maicon falhou na marcação, como já ocorrera no domingo nos dois gols da Chapecoense, e Fred ampliou de cabeça. O problema é que a arbitragem anulou o lance assinalando impedimento, que não ocorreu.

A segunda etapa mostrou que o São Paulo teria de correr atrás sob pressão, em casa. Antes mesmo dos 10 minutos, a torcida já dava sinais de impaciência, principalmente diante dos repetitivos erros de passes de Thiago Mendes. Não demorou e os gritos de “Luiz Araújo” eram ecoados.

O jogo tomou ares dramáticos e, enfim, o São Paulo cresceu e se impôs. Foram três grandes chances de empate. Thiago Mendes desperdiçou de cabeça, Victor fez um verdadeiro milagre após cobrança de escanteio e testada de Maicon, e Chvez também obrigou boa defesa do camisa 1 atleticano em chute cruzado.

Para aumentar a intensidade, o jovem Luiz Araújo entrou na vaga de Wesley. Fred saiu lesionado para Luan ir para o jogo. O Galo, no entanto, diferente da primeira etapa, tinha muita dificuldade até em superar a linha de meio campo. A torcida tricolor, a essa altura, jogava junto e empurrava o São Paulo para cima.

O grito de gol quase desentalou aos 29, quando Hudson arriscou da entrada da área. Victor espalmou, mas Thiago Mendes chegou no rebote e rolou para Chavez, embaixo da trave. Leonardo Silva, porém, se antecipou e salvou o Galo. Era ataque contra defesa. Um massacre do São Paulo, mas longe de ser eficiente.

Uma linda defesa de Vitor já aos 40 minutos mostrou de uma vez por todas de a noite não era são-paulina. Apesar da derrota, ao menos ficou o consolo da torcida ter reconhecido o esforço do time após o apito final com gritos de incentivo e palmas.

.

Ouça os gols narrados por Taylor de Freitas:

.

.

.

.

 

.

Fonte: espn.uol.com.br/

Veja também
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com