Sampaoli chega ao Atlético, mas sair não será nada fácil.

Postado em 02/03/2020 11:22

O Atlético já tem novo treinador para substituir Rafael Dudamel e tentar resgatar uma temporada que tem início marcado por fracassos. Na tarde desse domingo, em conversas conduzidas por dois empresários e o conselheiro do Galo, Renato Salvador, Sampaoli disse “sim” ao presidente Sérgio Sette Câmara e ainda assinará contrato até dezembro de 2021.

O vínculo tem detalhes importantes, cláusulas, metas e uma multa que deixa o Galo impedido, ao menos do ponto de vista financeiro, de demitir Sampaoli antes do término desses dois anos. Caso o argentino seja demitido, o Atlético teria de arcar com valores bem altos, correspondentes a cinco anos de contrato.

O clube aceitou essa condição para dar margem de segurança a Sampaoli, preocupado em ser mais uma vítima da “máquina” que demitiu Rafael Dudamel com dois meses de trabalho. O contrato ainda não foi assinado, mesmo após o anúncio do presidente Sette Câmara em rede social.

O acordo deve ser assinado no mais tardar na terça-feira, mas Sampaoli ainda não irá comandar o time no próximo sábado, contra o Cruzeiro. 

Nas tratativas, Jorge Sampaoli fez um pedido para o Atlético fazer mais cinco aquisições de novos jogadores, além dos sete já contratados em 2020 – Dylan, Maílton, Arana, Hyoran, Allan, Savarino e Tardelli. Tudo isso para tentar competir de igual para igual com o Flamengo, campeão brasileiro e da Libertadores em 2019, e da Recopa Sul-Americana 2020. Em 2019, no Santos, Sampaoli foi vice-campeão contra Jorge Jesus. E o embate acontecerá novamente na primeira rodada do Brasileirão.

Será a única grande competição que Sampaoli terá no Galo. Inclusive, este fator, que poderia em um momento pesar para ele “torcer o nariz” para o convite do Atlético, acabou pesando positivamente no desfecho da negociação. No entendimento do técnico argentino, o calendário do Galo, com menos competições, será ideal para ele formatar a equipe.

Sampaoli é exigente, não só ao traçar o acordo, como em cumprir regras e normas estabelecidas. No Santos, era o grande comandante do departamento de futebol do clube. E assim deve ser novamente com o agasalho do Atlético. Tal controle, entretanto, gerou desgaste no CT Rei Pelé.

A reunião que marcou a contratação de Sampaoli aconteceu durante o fim da manhã e a tarde deste domingo. O treinador desembarcou em BH e foi logo conduzido pelos empresários Anderson Nassrala e Angelo Pimentel para a casa de Renato Salvador, engenheiro e conselheiro do Galo, e ex-diretor financeiro.

Por lá, na presença de Sette Câmara e Gabriel Andreata – assistente de Jorge Sampaoli, que ocupará cargo executivo no futebol do Galo – o aperto de mão deu fim positivo à uma tratativa interrompida negativamente em 20 de dezembro, quando Sampaoli visitou BH pela primeira vez. O acerto entre as partes conta com apoio financeiro de conselheiros e patrocinadores do Atlético.

Além de Renato Salvador, Rafael Menin, presidente da MRV Engenharia e atual vice-presidente do conselho deliberativo do clube, foi outra figura ativa nas negociações, tendo sido o grande responsável por tentar fechar com Sampaoli em dezembro, quando o Atlético optou por Rafael Dudamel.

Veja também
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios
error: Este conteúdo é protegido!