Cruzeiro terá candidato único para presidente.

Postado em 06/04/2020 12:05

Emílio Brandi não concorrerá mais à presidência do Cruzeiro. Diante da manutenção da eleição de 21 de maio para mandato-tampão até 31 de dezembro, o empresário, apoiado pelo conselho gestor, retirou sua candidatura.

Com a retirada da candidatura, o conselho gestor não terá um representante na eleição e deixará a administração do Cruzeiro no dia 31 de maio, dia anterior à posse do novo presidente. Tudo indica que Sérgio Santos Rodrigues será o único candidato da eleição do mês que vem.

Em comunicado enviado à reportagem por Emílio Brandi, a opção de retirar a candidatura acontece em função do “embate político” que há no clube. O conselho gestor considera que a realização de duas eleições em um mesmo ano seria prejudicial ao Cruzeiro. É que, a princípio, haverá também uma eleição em outubro, para definir o presidente do clube entre janeiro de 2021 e dezembro de 2023.

Desde o fim do mês passado, o conselho gestor já havia exposto a ideia de sair da corrida eleitoral, caso o pleito de maio fosse mantido. Sérgio Santos Rodrigues sempre desejou a manutenção da eleição para mandato-tampão, mesmo que a votação fosse virtual, em função da pandemia do novo coronavírus.

Na visão do conselho, o fato de ter duas eleições em um mesmo ano atrapalharia o clube, por exemplo, em negociações que estão sendo feitas com credores desde o início do ano. Ao GloboEsporte.com, Saulo Fróes, presidente do conselho gestor, afirmou que a atual administração deixará a “casa arrumada” para o próximo presidente.

– (Retiramos a candidatura) pelo Cruzeiro, que não suporta duas eleições mesmo ano. Como tem uma corrente de ex-presidentes que desejam a eleição agora e apoiam candidato Sergio Rodrigues, iremos ficar somente até maio e, após a eleição, o grupo volta ser apenas torcedor. Vamos deixar a casa toda arrumada, dentro possível, para a próxima diretoria fazer o melhor trabalho.

O Conselho Gestor tinha a intenção de seguir no Cruzeiro até o fim de 2020, entendendo que é importante dar continuidade aos trabalhos que estamos fazendo. Acreditamos que a realização de duas eleições, em um único ano, será muito prejudicial ao clube. E não pretendemos também ter um racha no Cruzeiro, em uma briga política que nem sabemos fazer.

Nos últimos meses ficamos totalmente absorvidos na gestão do Cruzeiro, que se reergueu e retomou a credibilidade. Mas isso também tem um preço na vida de cada um, que deixou seus negócios e muitas vezes deixou de estar com a família para viver e resolver os assuntos do Cruzeiro, do qual nos orgulhamos imensamente.

Diante deste cenário, com embate político, o Conselho Gestor não terá representante nas eleições. Seguiremos firmes e nossa missão é continuar com as nossas ações para reconstruir o Cruzeiro, e deixá-lo o mais organizado e preparado possível para os próximos desafios. E nosso trabalho se encerrará no dia 31 de maio, véspera da posse do presidente que assumirá o clube.

 

Veja também
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios
error: Este conteúdo é protegido!