Publicidade

Com herói improvável, Atlético vence América e sobe para 3º no Brasileirão

Postado em 10/07/2021 21:33

Num time recheado de jogadores com vasto currículo no futebol, quem brilhou foi um jovem de 19 anos. O meia colombiano Dylan entrou no segundo tempo para marcar um gol e se tornar o herói improvável da vitória do Atlético por 1 a 0 no clássico contra o América, neste sábado, no Independência, pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Com o resultado, o time alvinegro sobe da quarta para a terceira posição, com 22 pontos – três a menos que o líder Palmeiras. Já o derrotado América segue com nove, na 16ª colocação, próximo da zona de rebaixamento.

O time do técnico Vagner Mancini volta a campo pela 12ª rodada só no dia 19, uma segunda-feira, novamente no Independência. O rival será o Sport, em partida marcada para 20h. No sábado anterior, o Atlético visita o Corinthians na Neo Química Arena, às 19h.
 
O foco atleticano, porém, ainda não é o duelo em São Paulo. Antes, o time alvinegro enfrentará o Boca Juniors, na Bombonera, pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa Libertadores. A bola rola às 19h15 desta terça-feira, em Buenos Aires.
 
Mancini resolveu modificar a escalação do América e montar um time com três zagueiros para “espelhar” o sistema utilizado pelo Atlético na vitória da última quarta-feira por 2 a 1 sobre o Flamengo. Para isso, lançou o jovem Zé Vitor, de 20 anos, ao lado de Eduardo Bauermann e Ricardo Silva.
 
Em tese, a ideia do comandante daria certo. Em tese. Embora tivesse mandado a campo três beques de origem (Igor Rabello, Nathan Silva e Junior Alonso), o técnico Cuca decidiu utilizar o paraguaio como lateral-esquerdo, nas ausências de Guilherme Arana (cedido à Seleção Brasileira Olímpica) e Dodô (sem condições físicas para suportar 90 minutos). O comandante também fez outras alterações no time, para descansar os mais desgastados.
 
Intenso, o América começou com mais posse de bola e tentou ocupar o campo defensivo rival, apesar de ter perdido, logo aos três minutos, Ribamar por lesão. O time mandante chegou a fazer um gol com Carlos Alberto, aos 19′, mas o lance foi invalidado por impedimento.
 
Com dificuldades criativas, o Atlético levou perigo pela primeira vez após um corte de Zé Vitor, que exigiu grande defesa de Matheus Cavichioli. Nos minutos finais, Savarino fez boa jogada pela direita e cruzou para Sasha, que, travado por Eduardo Bauermann, parou em outra importante intervenção do goleiro americano. No rebote, Alonso acertou o travessão e perdeu uma chance inacreditável.
 
As chances de gol continuaram escassas no início do segundo tempo. O Atlético, que terminou a primeira etapa com mais posse de bola, aumentou o controle do jogo, mas seguiu com dificuldades para superar a marcação adversária.
 
Por isso, Cuca decidiu colocar Hulk e Dylan nas respectivas vagas de Igor Rabello e Hyoran. E a estratégia deu certo. O camisa 7 iniciou a jogada e lançou Savarino. O venezuelano cruzou para Dylan, livre na área, só empurrar para as redes aos 23′: 1 a 0. Foi o primeiro gol dele em 19 jogos com a camisa alvinegra.
 
Em desvantagem, Mancini resolveu fazer alterações – mas não foi tão ousado quanto Cuca e decidiu manter o sistema com três zagueiros. O América voltou a manter a posse da bola por mais tempo, mas não levava perigo ao gol defendido por Everson. A melhor chance da reta final foi do Atlético, porém Felipe Felício desperdiçou uma oportunidade incrível após falha de Cavichioli. E o 1 a 0 seguiu até o fim.

Advertisement
 
.
.
Fonte: SUPERESPORTES.com.br

Comente! *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Publicidade
Veja também
Publicidade
Publicidade
Publicidade
plataforma ead
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!