Publicidade

Atlético precisará de “reta final dos sonhos” para ser campeão.

Postado em 27/01/2021 13:02

A distância do Atlético para o líder Internacional caiu para cinco pontos. O Galo soube aproveitar o jogo atrasado contra o Santos e, diante de um time totalmente focado na final da Copa Libertadores, Jorge Sampaoli e seus comandados fizeram o dever de casa com a vitória, por 2 a 0. Mas é preciso muito mais volume para que a taça chegue em fevereiro ainda ao alcance das mãos.

O time reserva do Santos, cheio de garotos, chegou a dar um calor no Atlético, que diminuiu bem o ritmo, é verdade, quando já iniciou o segundo tempo vencendo por 2 a 0. O goleiro Everson, por exemplo, fez duas boas defesas. O que sugere um Galo ainda frágil sem a bola.

Advertisement

Com ela, bons lances de um meio de campo renovado com Jair e Nathan, além de Hyoran. Pelas pontas, Savarino foi o grande destaque. Mira ajustada, chutes certeiros em boas jogadas de Nathan e Keno. Esse, inclusive, é dúvida para o jogo contra o Fortaleza. Sem tanto brilho como outrora, Keno voltou a ser decisivo com assistência e não há, no elenco, um substituto pronto.

Eduardo Sasha, titular na vaga de Eduardo Vargas, é um forte candidato, em caso de Keno vetado pelo DM. Com características de mais velocidade, há ainda Marrony e Savinho. O garoto de 16 anos foi escolhido para a vaga, durante a partida, mas dificilmente será o titular. Diego Tardelli? São 5 meses sem jogar, quase 20 dias de transição entre DM e campo e, aparentemente, só vai ser relacionado (se for), em fevereiro.

O Atlético é o terceiro colocado, com uma vitória a mais do que o São Paulo, vice-líder e com um ponto a mais do que o Galo. O Inter, com 62 pontos, está muito embalado e com moral injetada. É o que falta ao clube mineiro, que terá o Fortaleza em casa. A terceira colocação precisa ainda ser consolidada, e depende de um tropeço do Flamengo na quinta-feira, diante do Grêmio (fora), em jogo igualmente atrasado. Então, a tabela da Série A volta a ficar “certinha” entre os times do G-6.

O time de Sampaoli precisa tirar cinco pontos de vantagem em seis rodadas. É possível. Ainda mais pela força em casa (é o melhor mandante, com 81% de aproveitamento). Pegará o Fortaleza no domingo, no Mineirão. Mas precisará vencer fora de casa. Qualquer empate, dependendo dos resultados da concorrência, é jogar par de cal na briga pela taça tão sonhada em 50 anos.

 

Comente! *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Publicidade
Veja também
Publicidade
Publicidade
Publicidade
plataforma ead
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!