À espera do alívio momentâneo. - Portal MPA

Publicidade

À espera do alívio momentâneo.

Postado em 18/10/2021 12:23
Publicidade

O presidente do Cruzeiro tem nova reunião marcada com empresários, na tarde desta segunda, para levantar dinheiro em busca de quitar os R$ 9 milhões de salários atrasados de jogadores e funcionários. Diferentemente da última sexta, está prevista a presença do empresário Pedro Lourenço, que não participou do encontro anterior por não estar no Brasil.

Além dele, também está programada a presença do empresário Regis Campos, um dos investidores do clube. Contudo, o empresário Aquiles Diniz não tem presença confirmada no encontro de logo mais.

Na pauta, não está previsto discutir dívidas além dos salários em atraso. O Cruzeiro tem outros débitos, como o transfer ban na FIFA e não tem garantias se terá dinheiro para fechar o ano sem atrasar novamente os salários. A ideia é procurar maneiras de levantar o dinheiro para quitar a situação salarial em aberto.

Os jogadores têm treino marcado para a tarde desta segunda-feira. De acordo com programação divulgada pelo clube, as atividades começam às 16h (de Brasília).

Presidente e jogadores do Cruzeiro se reuniram na última sexta-feira para conversar sobre os salários atrasados. Sérgio Santos Rodrigues demonstrou, em números, como está a atual situação financeira do clube. Um dia após o encontro, os atletas encerraram a greve.

De acordo com o levantamento, atualmente, o valor em aberto de salários em atraso é de R$ 9,1 milhões de reais. Esse número inclui jogadores e funcionários do clube. Os valores devidos envolvem salários, férias, FGTS e também parcelas do 13º salário de 2020. As despesas são organizadas pela faixa salarial dos funcionários.

Na chegada do treinador Vanderlei Luxemburgo, o Cruzeiro recebeu R$ 8 milhões de Pedro Lourenço. O valor entrou como adiantamento da compra do patrocínio master de 2023.

O montante foi usado para quitar parte do que estava atrasado. Sérgio Santos Rodrigues tem uma nova reunião, nesta segunda-feira, com empresários para tentar angariar fundos e regularizar a situação salarial do clube. O resultado desse encontro é aguardado com expectativa pelo elenco cruzeirense.

O débito referente a salários é uma das pendências financeiras que prejudicam o dia a dia do clube. Atualmente, o Cruzeiro não pode registrar jogadores devido à punição imposta pela FIFA por causa de dívidas em aberto, que giram em torno de R$ 14 milhões, no total.

O valor devido vem das contratações de Arrascaeta junto ao Defensor, do Uruguai, e de Riascos, dívida que hoje diz respeito ao Mazatlán-MEX.

Publicidade