Rascunhos da vida: Amei o argentino. - Portal MPA

Publicidade

Rascunhos da vida: Amei o argentino.

Postado em 21/12/2021 6:00

Alguns países possuem uma rivalidade natural entre eles. Isso gera um tipo de preconceito contra nacionalidade independente do status social, credo, cor, ou orientação sexual.

Lucas 10.25-37

Retirado do site: https://www.pexels.com/pt-br/foto/argentina-adulto-noiva-casal-8281140/

Não sou muito fã de futebol. Mas sempre assisto aos jogos da seleção brasileira, especialmente na Copa e nas Olimpíadas. Mas tenho uma paixão maior em assistir aos jogos contra a seleção argentina. Ver a “Seleção Canarinho” vencer a eterna “seleção de Maradona” é insuperável. Ver os “hermanos” chorando e lamentando quando perdem me alegra o coração. Quando acontece o contrário tenho uma sensação de que fomos prejudicados pela arbitragem, pelo campo, altitude, a terra girando em seu eixo. Tudo é desculpa para o fracasso dos “canarinhos” do Brasil.

Há anos conheci um argentino, de “cara” tive certo repúdio quanto a sua pessoa. Na minha visão os argentinos são astuciosos, mentirosos, enganadores, truculentos, idiotas, orgulhosos e seguidores de “Maradona”. Pouco tempo depois descobri que estava totalmente errado nas minhas pressuposições. Ele era um homem de grande conhecimento, dotado de uma fina delicadeza, mesmo sendo extremamente rico era humilde ao extremo. Não o vi mentir, enganar, nem tramar algo contra as pessoas, mas vi planejar o bem, preparar ações em prol das pessoas necessitadas gerando assim grandes movimentos sociais na localidade onde estava inserido.

Devo confessar que depois disso acredito que todos podem ser instrumentos nas mãos de Deus. Pois ele era. Era um homem de fé comum, mas de atitudes incomparáveis. Não era conhecedor da Palavra de Deus (por não ser um Teólogo), mas sempre a lia antes das atividades sociais que desenvolvia. Ele foi usado por Deus para suprir a necessidade de muitas pessoas e especialmente para quebrar meu preconceito natural.

Jesus desenvolve uma parábola onde o personagem principal é um homem roubado, ferido, destinado à morte, os secundários dois homens religiosos, responsáveis pela fé e adoração de uma nação, e um homem discriminado por ser samaritano. Cristo descreve a essência do amor ao próximo, ele demonstra como Deus nos ama, como ele nos trata mesmo sendo vis pecadores, mesmo distantes do propósito dele para sua criatura, e como ele usa qualquer um para servir as necessidades do próximo.

Um olhar preconceituoso impede de agirmos conforme Deus deseja. Gays precisam de Cristo, da mesma forma que eu e quem sabe você. Doentes necessitam de Cristo, e de igual maneira um homem com exuberante saúde. Pobres necessitam de Jesus, da mesma maneira que aqueles que têm abundância de dinheiro. Os analfabetos tem necessidade de Jesus, assim como os mestres, doutores e Ph.Ds.

Mas além dessa necessidade humana, é preciso disposição para ser usado por Jesus. Eu, você precisamos quebrar as barreiras que nos cercam e deixar Deus nos usar como canal de bênção na vida daqueles que estão próximos a nós. Você pode ser usado para “irrigar” a vida dos que estão ao seu redor basta não ser legalista e viver achando-se acima da média. Pense nisso, existem muitos precisando de “samaritanos”, quem sabe de argentinos, ou mesmo brasileiros para beneficiar o próximo?

Um grande e forte abraço!
Nos reais e verdadeiros laços do amor de Cristo.

Rodrigo Fonseca Andrade
Um servo que para ajudar outros até aceitaria ser comparado a um “argentino”.