Publicidade

Rascunhos da Vida

Rascunhos da Vida: Mais que um presente, estávamos presentes.

Postado em 25/12/2020 8:00

Ontem foi véspera de Natal, um dos dias que geralmente eu trabalho muito. Há sete anos essa data é para mim um momento estressante durante o dia. São clientes querendo suas locações, são pessoas numa última hora precisando de material e não temos como atender. Mas quando chega a noite geralmente é tempo de desfrutar de descanso e paz.

Filipenses 2.5

Rascunhos da Vida: https://www.pexels.com/photo/small-blue-petaled-flower-held-by-person-s-fingers-790989/

No entanto, ontem foi uma véspera de Natal atípica, um Natal Pandêmico. Poucos presentes, ausência de peru, nada de pernil assado. Um Natal sem amigo oculto, e com pouquíssima aglomeração. Reunimos a família, e de braços dados louvamos a Deus por sua grandeza e pelo seu benefício para conosco em enviar seu filho amado com propiciação para nossos pecados.

Reunimo-nos a mesa, que estava farta sem os tradicionais “pratos natalinos”, que por mim deveriam ser substituídos, pois não representam de fato o sabor do Natal. Fizemos uma dinâmica legal, onde cada participante deveria escolher um dos membros da família sem repetir. E então dizer para ele algo que admira nele, ou seu sentimento por essa pessoa, quem sabe o seu desejo para ela e até mesmo expressar algo que alegra seu coração por causa da sua existência. Foi um momento admirável, aonde presenciamos amadurecimento, amor, ternura e afeto.

Como o grupo era reduzido à dinâmica foi gostosa, não havia cobrança de tempo e todos puderam falar um pouquinho. E o expressar destes sentimentos foi melhor que os presentes, ou as comidas “jingle bell”. O importante sim foi ter a presença de cada membro com saúde, paz e alegria. O amor era visível, o cuidado de um pelo outro e comunhão mútua em cada fala, abraço, aperto de mão, ou sorriso nos lábios.

Para o apóstolo São Paulo devemos ter o mesmo sentimento de Cristo, ou seja, devemos amar intensamente independentemente das circunstâncias, sejam elas boas e agradáveis, ou terríveis e más. Mas como Cristo nos amou se entregando sem precisar de algo em troca, devemos também amar sem esperar retribuição. Pois, com certeza amor gera amor, sorriso, paz e contentamento.

Pense nisso, esse Natal afastado da normalidade nos ensinou que o normal do Natal é amar e não o comer e o presentear. Portanto ame, cuide, abrace e ore por aqueles que você tem condições de expressar afeto e união.

Um grande e forte abraço!
Nos eternos e fraternos laços do amor de Cristo!

Rodrigo Fonseca Andrade
Um servo que preferiu todos os presentes a alguns presentes embalados.

Publicidade
Veja também
Publicidade

Noticias relevantes:

<
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios
Autor do blog: Rodrigo Andrade

Rodrigo Fonseca Andrade é um microempreendedor, teólogo e professor de línguas clássicas (Grego Koinê e Hebraico Massorético). Casado com Sílvia e pai de João Victor e Isabelle. Com formação em Tecnologia, Meio Ambiente e Teologia. Tem como objetivo principal tornar o conhecimento teológico simples e abrangente. Sendo assim demonstra através de fatos da vida como Deus é soberano e dirige nossa história pessoal. Neste blog você lerá, lembrará e se identificará com muitos dos fatos bíblicos exemplificados de forma simples e objetiva.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!