Publicidade

NORD Research

Finanças: Quando vender uma ação?

Postado em 31/07/2020 11:00

Investir bem não se resume em comprar bem, saber o momento de se despedir é tão importante quanto.

Ações para sempre

Se você acompanha a Nord há algum tempo, já deve ter nos visto escrever e falar várias e várias vezes que ações são para o longo prazo.

Eu vou além: na minha opnião ações são para sempre.

É lógico que a sua alocação em bolsa vai variar ao longo dos anos, a depender da fase do ciclo econômico em que o país se encontra, dos seus objetivos financeiros, do conhecimento/disponibilidade para estudar/acompanhar as empresas em que investe, do seu apetite/tolerância a risco etc.

Mesmo que você tenha mais ou menos bolsa ao longo da sua jornada de construção/multiplicação patrimonial, as ações sempre devem ter algum espaço em sua carteira.

Ainda mais em um país com taxas de juros “normais” e não aquelas acima de dois dígitos com as quais o brasileiro, infelizmente, acabou se acostumando.

Entretanto uma distinção importante precisa ser feita.

Quando digo que ações são para sempre, estou dizendo que acredito que você deverá sempre manter alguma parcela dos seus recursos investidos em empresas da bolsa, mas não necessariamente nas mesmas empresas sempre.

É comum confundir investir no longo prazo com comprar e esquecer, mas acontece que as empresas e os preços de suas ações mudam ao longo do tempo e, em algum momento, até uma empresa muito boa pode deixar de ser um bom investimento se seu preço deixa de fazer sentido.

Os preceitos do Value Investing nos ensinam a focar no longo prazo, simplesmente porque os ciclos empresariais demandam alguns anos para se concretizar.

Uma empresa precisa primeiro planejar e então investir, para depois lançar seu produto/serviço no mercado e finalmente, após a maturação do produto, começar a colher os frutos, caso sua estratégia e execução forem acertadas.

Acontece que entre um bom plano e o sucesso de um projeto existem alguns anos de intervalo e as boas empresas não irão se acomodar após um sucesso, irão começar tudo de novo, reinvestindo os lucros obtidos.

Então quando recomendamos que você invista em ações com foco no longo prazo, estamos simplesmente alinhando suas expectativas.

Sabemos que as oscilações de curto prazo no preço das ações são completamente imprevisíveis e em alguns casos até descorrelacionadas com a realidade das empresas naquele momento, inclusive, são nestes pontos em que as oportunidades surgem.

Mas também sabemos que quando alongamos o horizonte de investimento, a correlação entre os resultados da empresas e o movimento de suas ações se torna uma realidade.

Preço (branco) e Lucro (verde) de ITSA4. Fonte: Bloomberg.

Quem observa apenas o que aconteceu com os lucros e o preço das ações da Itaúsa entre 2013 e 2015 iria achar que o que eu estou dizendo não faz sentido nenhum.

Mas quando o expandimos a janela de análise para as últimas décadas, tudo fica claro e cristalino.

Não basta comprar bem

Mas a mensagem que eu realmente quero passar hoje é a de que apesar das ações (no plural) serem para sempre, nenhuma ação (no singular) é.

A relação entre a qualidade de uma empresa (seu valor) e seu preço é o que define um bom investimento. Estes dois elementos sempre precisam ser analisados em conjunto na hora de tomar alguma decisão.

Para classificar uma empresa como um bom investimento, é preciso encontrar uma que esteja negociando abaixo do seu valor, seja porque é bom ou cresce demais, seja porque está barato demais.

Mas como estes dois elementos (o valor da empresa e o seu preço) podem variar em ritmos ou até em caminhos diferentes no curto prazo (às vezes até em alguns anos), comprar uma ação e simplesmente esquecê-la não é uma boa ideia.

Para ter sucesso na bolsa, você precisa não apenas comprar na hora certa, mas também vender na hora certa.

Caso contrário, a probabilidade de sucesso, que no momento da compra estava a seu favor, pode se inverter. E como ninguém consegue prever o futuro, investir com as probabilidades ao seu lado é a única forma de obter retornos consistentes.

Saber a hora de vender é tão importante quanto saber a hora de comprar.

A literatura que lhe ensina a comprar uma ação é vasta. Existe uma enxurrada de excelentes livros que te ensinam a escolher as melhores ações. Entretanto, poucos falam sobre a outra ponta: a venda.

Três motivos para se despedir

Assim como eu acredito que para identificar um bom investimento não existe uma fórmula mágica, mas sim uma mistura de ciência, arte e esforço (by Peter Lynch), para sair de um investimento não é diferente.

Eu gostaria muito que uma análise estatística ou gráfica fornecesse o ponto de saída ideal. Ou que um valor estimado para um preço alvo fosse realmente confiável.

Mas infelizmente, não é assim que funciona na hora de comprar e também não seria assim que funcionaria na hora de vender.

Na minha opinião existem 3 motivos que justificam a venda de uma ação:

A tese se concretizou

Segundo Bruce Greenwald, escritor de um dos melhores livros sobre Value Investing já escritos, existem 3 fontes de valor em uma empresa.

Fontes de valor. Fonte: Value Investing: From Graham to Buffett and Beyond – Bruce Greenwald.

A primeira é o valor de reprodução daqueles ativos (quanto custaria para reproduzir maquinários, marca, expertise, tecnologia etc.), a segunda é a capacidade de geração de lucros atual da empresa (se ela construiu alguma vantagem competitiva, lucra e vale mais), e a última é o valor do crescimento (que inclui o potencial de crescimento dos lucros futuros).

A depender da força das vantagens competitivas e dos riscos inerentes a cada negócio podemos identificar por qual destas fontes de valor vale a pena pagar.

Mas independente de qual seja a fonte de valor, quando você faz um investimento bem fundamentado, o faz porque acredita que o preço da ação naquele momento é inferior ao seu valor, isto é o que chamamos de tese de investimento.

Com o passar do tempo sua tese pode simplesmente se concretizar.

O preço da ação pode chegar a um patamar próximo daquele que poderia ser considerado justo em relação ao valor dos ativos ou a capacidade de geração de lucros da empresa, ou o bom crescimento pode cessar.

Nestes casos, é hora de se despedir e partir para o próximo investimento.

Fundamentos mudaram/Erro de análise

Mesmo com muito estudo e análise, nunca iremos saber tudo sobre uma empresa, nem quem está gerindo a empresa no dia a dia sabe, imagina quem está olhando de fora.

Além disso, as coisas podem simplesmente mudar ao longo do caminho, uma vantagem competitiva pode deixar de existir, o crescimento esperado pode deixar de ser factível, novos concorrentes ou produtos substitutos podem ameaçar a empresa, a regulação pode mudar etc.

Em alguns casos as coisas vão realmente mudar, em outros o risco já estava lá e apenas passou desapercebido.

Mas não faz a mínima diferença se os fundamentos realmente mudaram ou se você apenas identificou um erro de análise por conta de algum acontecimento.

O fato é que caso isto aconteça e você conclua que o preço atual já não lhe garante a margem de segurança (diferença entre preço e valor) necessária para manter o investimento, também é hora de dizer adeus (ou até logo).

Oportunidade maior

Por fim, o último motivo que considero adequado para vender uma ação é quando encontramos uma oportunidade melhor.

Se identificamos uma empresa com uma relação de risco/retorno mais atrativa ou simplesmente que faça mais sentido para a composição de nosso portfólio no momento, podemos abrir mão de uma empresa que já não nos deixava tão confortáveis, e assim realizarmos uma substituição de ativos.

Acredito que alguns leitores irão ficar decepcionados com os 3 motivos para vender uma ação, afinal nenhum deles é uma fórmula que lhe diz o momento exato de sair de um investimento.

Mas o segredo para ganhar dinheiro com ações não é a precisão, é a consistência.

Se você investe seu capital com disciplina e paciência, conhece profundamente as empresas em que investe e não deixa seu emocional influenciar suas decisões, você terá grandes chances de obter retornos formidáveis na bolsa ao longo dos anos.

Se você quer obter excelentes retornos, com a estratégia que transformou alguns investidores nos homens mais ricos do mundo, sem correr riscos desnecessários, saiba que é isso que fazemos no Investidor de Valor.

Performance acumulada do IV. Fonte: Nord Research.

Desde a criação da série, nossa carteira acumula um retorno de 214 por cento (contra 80 por cento do IBOV e 54 por cento do CDI).

Mas mais do que apenas recomendações de investimentos, nosso objetivo é compartilhar com você tudo o que aprendemos com os maiores e melhores investidores do mundo para que você também possa se transformar em um investidor melhor a cada dia.

Um abraço,

Ragazi.

Em observância ao Artigo 22 da Instrução CVM nº 598/2018, a Nord Research esclarece que oferece produtos contendo recomendações de investimento pautadas por diferentes estratégias e/ou elaborados por diferentes Analistas. Dessa forma, é possível que um mesmo valor mobiliário encontre recomendações distintas em diferentes produtos por nós oferecidos. As indicações do presente Relatório de Análise, portanto, devem ser sempre consideradas no contexto da estratégia que o norteia.

Postado originalmente por: Nord Research

Publicidade
Veja também
Publicidade

Noticias relevantes:

<
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios
Autor do blog: Nord Research

RECOMENDAÇÕES DE INVESTIMENTO COM RESULTADOS COMPROVADOS
A geração de riqueza para nossos assinantes é o nosso compromisso primordial. Somos uma casa de análise independente formada por profissionais com ampla experiência de mercado.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!