Publicidade

NORD Research

Finanças: O mensalão voltou

Postado em 20/08/2020 12:00

O Brasil não é para amadores

Você já deve ter ouvido aquela frase: "O Brasil não é para amadores". Sabendo como as coisas funcionam na política por aqui, naturalmente a gente tende a associar a alguma excrescência vinda do governo.

Incrível pensar que uma frase tão pejorativa como esta serve perfeitamente para o que acontece também no mercado financeiro brasileiro.

Em 5 de setembro de 2018, o Bruce inaugurou uma série de artigos na Nord batizada como "Sócio dos Infernos". Nesta série nós comentamos casos de empresas listadas na bolsa que praticaram atos flagrantes para prejudicar seus minoritários.

EmSócio Dos Infernos parte 1, o caso escancarado foi a da jogada da TAM para fechar o capital de Multiplus (MPLU3) a um valor de mercado "bastante conveniente".

Na sequência do mesmo artigo, o Bruce trouxe à tona os problemas que Via Varejo (VVAR3) e Pão de Açúcar (PCAR4) sofriam por ter um sócio problemático como o grupo Casino, e que isto por si só já era um bom motivo para ficar longe das ações das duas empresas.

Poucas semanas depois, em Sócio Dos Infernos parte 3 e 4, comentamos sobre o caso de Qualicorp (QUAL3), quando foi anunciado que a empresa pagaria 150 milhões de reais por um acordo de non-compete de 6 anos com o fundador, presidente e seu maior acionista.

Em seguida, mais um caso bizarro ilustrado, envolvia a GWI, controladora da Gafisa (GFSA3), e que mesmo extremamente endividada e sem caixa, anunciou uma recompra de ações.

Se o Wagner Moura estrelasse um filme sobre as histórias do mercado financeiro brasileiro, esta seria a hora em que ele usa aquela icônica frase: "O sistema é f…, parceiro".

Mais algumas semanas depois, em Sócio dos Infernos parte 5, a Gol (GOLL4) achou uma boa copiar a sua concorrente TAM, e tratou de encomendar uma engenharia societária para fechar o capital da Smiles (SMLE3)  sem ter que botar a mão no bolso. Menos de um mês antes, o Bruce esteve com o Departamento de RI da Gol, e eles negaram veementemente qualquer fechamento de capital.

O pior é que os casos não pararam por aí. Digite "infernos" na barra de busca do nosso site, e encontre mais uma porção de outros insights como estes.


"Mensalão" corporativo: o caso LINX3

Me perdoem por ser repetitivo, mas este é o tipo de coisa que a Nord, como grande patrocinadora do movimento de democratização dos investimentos e defensora dos interesses de investidores Pessoa Física, não pode deixar passar sem fazer o devido barulho.

Importante dizer também que aqui não temos o rabo preso. Como uma casa 100 por cento independente, advogamos, única e exclusivamente, pelos interesses dos nossos leitores e assinantes.

O caso da negociação de Linx, envolvendo Stone e Totvs, é um dos mais bizarros que eu já vi nos meus mais de 15 anos de mercado financeiro. Os fundadores da Linx omitiram uma proposta maior (Totvs) pelo controle da empresa  e que beneficiaria também os minoritários pelas regras de tag along do Novo Mercado  em detrimento de receber um bônus travestido de cláusula de não competição.

A entrevista dada pelo fundador da FAMA, Fábio Alperowitch, para a Veja foi precisa: “É pior {do que o mensalão}, porque o mensalão não era tão gordo assim”.

Note que a FAMA é uma das gestoras mais longevas do Brasil, com mais de 25 anos de história, referência em adotar práticas de ESG em seu processo de investimento (leia aqui: "Não há tolerância para a falta de ética") e detentora de 3 por cento do capital da Linx.

O alerta que eu faço é que se um investidor de profissional como a FAMA incorre em riscos como este, imagine os riscos que investidores incautos, que seguem dicas de redes sociais, podem incorrer.

Na newsletter de sábado (15/08), o Ricardo escreveu um texto brilhante mostrando como os selos de governança corporativa são lindos na teoria. Na prática, nem mesmo o Novo Mercado dá para levar a sério.

Por vezes somos cobrados a emitir opiniões sobre empresas que estão na moda, pura e simplesmente porque estão subindo muito. Digo com toda certeza, na maioria das vezes não passamos vontade ou nutrimos qualquer arrependimento.

A verdade é nós tomamos um imenso cuidado ao escolhermos quem serão os nossos sócios e os riscos contratuais (e outros) que possam existir.

Como o Bruce costuma dizer: "Na bolsa, é muito melhor ser desconfiado do que ser enganado". A empresa pode ser maravilhosa, apresentar um histórico consistente de crescimento e lucratividade, mas se algo nos cheira mal, ou põe em risco nossa posição como minoritário, para nós é um deal breaker.

Vamos falar disso na nossa live hoje, às 16h, no canal da Nord do YouTube.

O bull market aceita muito desaforo. A bolsa sobe, e a maré sobe para todo mundo. Mas como o Buffett já disse uma vez: "Quando a maré baixa, é aí que você descobre quem está nadando pelado".

Falando no nosso mago de Omaha: será que ele ficou pessimista com toda esta alta da bolsa lá fora, e resolveu comprar ouro?

"Ouro é um cubo brilhante que não gera ganhos e nem paga dividendos como ações ou juros como títulos", nas palavras (humildemente traduzidas) do sábio (e bilionário) de Omaha.

Mas, em 2020, vimos o velhinho investir em uma mineradora de ouro. Será que ele enlouqueceu?

Na era das techs, Buffett foi chamado de ‘ultrapassado’. Mas Buffett compra Apple desde 2016.

Preços Apple. Fonte: Bloomberg.

Preços Apple. Fonte: Bloomberg.

Em julho deste ano, a Berkshire (BRK, empresa de investimentos de Buffett) alocava "só" 25 por cento de seu patrimônio em Apple.

Buffett 1 x 0 Haters.

Apple tem vantagens competitivas sólidas, lucros crescendo, gera fluxos de caixa e paga dividendos. Ouro não tem vantagens competitivas, não dá lucro, não gera fluxo de caixa e não paga dividendos.

Ouro é o ativo do medo. Medo de inflação? Compre ouro. Medo de investir na bolsa? Compre ouro. Medo do Governo? Compre ouro. Medo de tudo? Compre ouro.

Buffett não tem medo de volatilidade de mercado, de guerras, de crises ou de recessões  ele já passou por diversos exemplos ao longo de sua carreira.

A mineradora de ouro (míseros 0,1 por cento dos 500 bilhões da BRK) dá lucro, gera fluxo de caixa e paga dividendos.

Buffett 2 x 0 Haters.

Buffett (possivelmente: os gestores independentes Ted Weschler ou Todd Combs, que tomam suas próprias decisões) adquiriu uma participação pequena da Barrick Gold.

A mesma arruaça foi feita quando a BRK anunciou que havia comprado Amazon no início de 2019. Mas, até hoje, não tivemos notícia de crescimento da posição.

E, nunca diga nunca. O velhinho aprende e evolui. Ele pode, sim, ter comprado uma mineradora de ouro. Afinal, procurar boas empresas a bons preços continua sendo o foco do maior Value Investor do mundo.

Buffett 3 x 0 Haters.

O Value Investing sofreu nos últimos anos, mas continua vivinho, trazendo alegrias ao querido velhinho, aos acionistas da BRK e aos assinantes do Investidor de Valor.

Um abraço e até a próxima,

Postado originalmente por: Nord Research

Publicidade
Veja também
Publicidade

Noticias relevantes:

<
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios

RECOMENDAÇÕES DE INVESTIMENTO COM RESULTADOS COMPROVADOS
A geração de riqueza para nossos assinantes é o nosso compromisso primordial. Somos uma casa de análise independente formada por profissionais com ampla experiência de mercado.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!