NORD Research

Finanças: Acostume-se com o risco

Postado em 15/05/2020 12:00

Os tempos mudaram e a maneira como você lida com os seus investimentos e como enxerga os riscos atrelados a eles também precisa mudar.

Nascemos para tomá-los

Durante a infância, ficamos acostumados a receber todo tipo de alerta vindo dos nossos pais.

Ouvimos inúmeras vezes a sentença: “não faça isso ou a punição será…”. O que completa a frase poderia, em muitos casos, nos impedir de arriscar a desobedecê-los.

A gente cresce aprendendo a temer os riscos e a pensar duas vezes antes de tomar alguma decisão.

Ouvi recentemente em uma entrevista com o empresário Jorge Paulo Lemann a seguinte frase: “risco faz parte da vida, se você passar a vida tentando evitar risco, você não vai viver”.

O mesmo vale para os nossos investimentos.

O brasileiro, por sua vez, cresceu com medo do investimento em ações da bolsa.

Por muito tempo, as taxas de juros na casa de dois dígitos nos mantiveram na inércia, mal acostumados com aplicações em renda fixa.

Hoje em dia, se você quiser melhores retornos, ainda mais com a Selic a 3 por cento, vai precisar de uma carteira mais apimentada.

Portanto, meu objetivo nesta newsletter é fazer você conviver em paz com os seus investimentos, depois de entender os riscos e os remédios para mitigá-los.

Eles estão por toda parte

Em qualquer investimento, seja na renda fixa ou na variável, os riscos estão lá. Sejam exógenos ou inerentes, quantitativos ou qualitativos, de alta ou baixa probabilidade de acontecer.

A depender do tipo da empresa ou emissor de um título no mercado, cada risco trará percepções diferentes e exigências de retorno maiores pelo investimento.

O risco de mercado, por exemplo, pode fazer com que o mundo dos investimentos pareça uma montanha-russa com suas variações diárias e, por vezes, você pode ver seu ativo desvalorizar mais de 50 por cento sem que ao menos aconteça algum evento que, de fato, mude o valor do negócio.

O risco de liquidez pode te impedir de vender aquela ação sem volume nenhum e, talvez, quando for vender, o preço pode ser muito penalizado pelo simples fato de não existir demanda suficiente de compradores.

Nesse "emaranhado mar de riscos", muitos investidores principiantes acabam vendo o mercado de ações como um jogo perigoso. Porém, a história é muito diferente quando enxergamos os benefícios de dois aliados: tempo e diversificação.

O tempo é o melhor remédio

Quando falamos que investimentos são para longo prazo, não estamos apenas repetindo um mantra como desculpa para esperar uma tese dar certo.

O fato é que a economia, as empresas e a maioria dos projetos no mundo real demoram para maturar e gerar os resultados esperados.

Portanto, se você quer investir em um negócio e esperar uma supervalorização no mês seguinte, sinto te dizer: o seu lugar não é na Bolsa.

O histórico do mercado mostra que a melhor maneira de diminuir o risco em um investimento é aumentar o tempo que você o mantém na sua carteira.

Testei a hipótese e utilizei o índice Ibovespa desde 1994 até hoje. Incluí várias janelas de retornos em prazos como em 1, 3, 5, 10, 15 e 20 anos, considerando investimentos realizados sempre no início do ano para facilitar o exemplo.

Fonte: Economatica, Elaboração: Nord Research.

Com a ressalva de que retornos passados não são garantia de retornos futuros, podemos notar que, quanto mais o tempo passa, mais o risco vai diminuindo.

Outro ponto observado foi que, geralmente, considerando prazos mais curtos  como os de 1 a 5 anos , os retornos são piores e com maior sensibilidade a crises.

O pior retorno nas janelas de 1 ano foi de -41 por cento, em 2018 (crise do subprime), e o pior retorno nas janelas de 5 anos foi no final de 2015 (crise fiscal no Brasil).

Mesmo assim, o tempo colocou tudo no lugar e as janelas de 10 a 20 anos não apresentam resultados negativos como piores retornos.

A estratégia de investimento em ações no longo prazo mostra uma maior chance de sucesso. Sem a paciência necessária, maiores são as chances de perder dinheiro neste mercado.

A gestão ativa, estratégia que visa uma seleção de ações para obter retornos maiores do que a média de mercado, também prova ser uma excelente opção quando bem tocada. Um caso de sucesso no Brasil é da gestora Dynamo.

Quando realizamos o mesmo teste, os melhores retornos da Dynamo superam, e muito, os do Ibovespa.

Fonte: Economatica, elaboração: Nord Research.

Diversificar é preciso

Outra maneira para mitigar os riscos é a diversificação da carteira.

Sabemos que maiores retornos, teoricamente, requerem investimentos em ativos mais arriscados.

Portanto, é muito importante que cada investidor conheça seu apetite para tomada de risco. Se você não sabe o seu, vá experimentando aos poucos.

O gráfico abaixo representa a relação de risco e retorno entre os investimentos mais conservadores e os mais arrojados.

Fonte: Nord Research.

A ideia é misturar um pouco de cada classe, dando mais peso ao que você considera mais adequado para o seu apetite.

Não existe um número mágico, nem um peso certo para cada classe de ativo.

O importante aqui é ter paciência e esperar que a diversificação e o tempo façam a sua parte.

Aqui na Nord temos um produto para te ajudar a selecionar as melhores oportunidades no mercado, seja em Renda fixa, em Ações ou em Fundos.

Se você vai diversificar, até facilitamos para você e oferecemos combos como o Nord Essencial, o Nord Advisor ou o Nord Absoluto.

Lembrando que, se quiser melhorar seu retorno no longo prazo, acostume-se com o risco.

Ele não é seu inimigo.

Um abraço!

Postado originalmente por: Nord Research

Veja também
<
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios
Autor do blog: Nord Research

RECOMENDAÇÕES DE INVESTIMENTO COM RESULTADOS COMPROVADOS
A geração de riqueza para nossos assinantes é o nosso compromisso primordial. Somos uma casa de análise independente formada por profissionais com ampla experiência de mercado.

error: Este conteúdo é protegido!