Guia do Campeonato Mineiro

Postado em 21/01/2019 11:51

Vai começar mais um Campeonato Mineiro. E com ele, renovam-se as esperanças dos 9 clubes do interior que tentam enfrentar o poderio do trio da capital.

Como já é tradição por aqui, o Manula traz todos os detalhes dos times do interior que entram na disputa a partir de amanhã.

Boa Esporte (Varginha)

 

Mordido pelo rebaixamento para a série C em 2018, o Boa Esporte vem totalmente reformulado. A equipe Boveta quer mostrar que não perdeu força e promete fazer campeonato competitivo; mas já esteve mais forte em anos anteriores. O técnico é o paulista Tuca Guimarães, 45 anos, que iniciou a carreira no futsal e chegou a dirigir o Figueirense na Serie A. Assumiu o Boa no final do ano passado, quando o rebaixamento já era praticamente inevitável. O grande destaque do time é o goleiro Renan Rocha (ex-Bragantino e Paysandu), com passagens pelas seleções brasileiras de base. Terá a sombra do jovem Igor Rayan (formado na base do Cruzeiro e ex-Tupynambás). Na defesa, o bom lateral esquerdo Kaio Cristian (20 anos) é um dos poucos remanescentes de 2018. O colombiano Salazar Cuesta, 24 anos, desde 2015 no futebol brasileiro, será o xerife. Vem do Batatais de SP. O experiente Reiner Ferreira (com passagens pelo Oriente Médio, Coréia do Sul e Portugal) será seu parceiro de zaga. Vem do Indy Eleven (que disputa a USL, uma liga menor dos Estados Unidos). Cesar Sampaio (28 anos, ex-Sampaio Correa) é o volante de contenção. Os meias são Cloves (30 anos, outro que permanece no clube), o potiguar Berguinho (21 anos, ex-ABC) e o experiente Edenilson (31 anos, há 8 temporadas no futebol europeu) vindo doKF Drita, do Kosovo. Na frente, os jovens Yan Peter (ex-base do Inter) e James Dean (ex base do Sport) formam o ataque com o paraense Jaime (25 anos, ex-Remo)e Gindré (volta de empréstimo do Noroeste-SP). Em amistoso pré temporada, perdeu 0x1 para o Operário MT.

O cara – Renan Rocha

Goleiro formado no Atlético PR, Renan se destacou e defendeu a Seleção Brasileira nas categorias de base. Com ótima estatura (1,95m), sai muito bem do gol e tem muita agilidade. Aos 31 anos, defendeu o Paysandu na série B em 2018. Goleiro de alto nível.

Figurinha carimbada – Edenílson

Após iniciar carreira no sul do país (Juventude, Pelotas e Esportivo), o canhoto Edenílson fez carreira na Europa, jogando no Standard Liege da Bélgica, CSKA da Bulgária, entre outros clubes). Volta ao Brasil para ser o homem de referência do meio campo do Boa.

Olho em – Kaio Cristian

Lateral muito ofensivo, o roraimense Kaio Cristian foi dos poucos que salvou na má campanha do time em 2018. Tem 20 anos. Sobe bem ao ataque e não compromete atrás.

O que pode ajudar: Habitualmente, o Boa Esporte atua sem pressão de “cornetas”. O clube tem dono(s) e os irmãos Rone, Roberto e Rildo Moraes gerenciam o clube como empresa.
O que pode atrapalhar: Oriundo de Ituiutaba, o time ainda precisa se sentir em casa em Varginha. Como o Melão é um estádio grande, muitas vezes acaba funcionando como campo neutro. Será o 1º mineiro do técnico Tuca Guimarães.

Palpitômetro
Talvez seja (ao lado do Tupi) a grande incógnita do campeonato. Pode até surpreender, mas as perspectivas não são boas. Falta principalmente força ofensiva; além de um ou dois jogadores mais tarimbados.

Caldense (Poços de Caldas)

Vinda de campanha muito irregular em 2018 (só escapou do rebaixamento na última rodada), a Veterana promete voltar a brigar pelas principais posições esse ano.Comandada pelo experiente e altamente competente paulista Ito Roque (ex-Villa Nova em 2017 e 18), o time se armou bem para o torneio. Manteve alguns atletas que já estavam no clube e trouxe bons atacantes, como Salatiel e Leleco. No gol, permanece o ótimo Omar (29 anos, ex-Bahia), que terá a concorrência de Vitor Prada (ex-Votuporanguense). A defesa tem o seguro Robinho (33 anos, ex-URT e Uberlândia), além de Renato Silveira (27 anos, ex Ituano). Davy Einstein (24 anos, ex-Valério) é bom suplente. Na lateral direita, Carlinhos (29 anos,ex-URT) é jogador de muito fôlego. Lazarini (24 anos, formado na base) é uma boa opção de banco. O canhoto Edu Pina (29 anos, ex-São Bento) tem ótima técnica, mas sofre com problemas físicos; pode sentir a sequência de jogos. O meio campo é forte e equilibrado. Jean (25 anos, permanece no clube) é o volante de contenção. Fará boa dupla com o versátil Felipe Baiano (30 anos, ex-Tombense). Judson (26 anos, ex-São Bernardo SP, com passagem pela seleção de Guiné Equatorial) e Mazinho (30 anos, ex-América, retornando do futebol indonésio) são os homens de armação. Thiaguinho (30 anos, ex-Tupi) é uma espécie de coringa, podendo atuar como volante ou meia esquerda. Na frente, Leleco (29 anos, ex-Linense) é o homem de velocidade, assim como Thiaguinho (30 anos, ex-Tupi). Salatiel (26 anos, ex-Juazeirense BA) é a esperança de gols. Reginaldo Jr (28 anos, ex-Sampaio Correa) e Édipo (25 anos, ex-Rio Preto SP) completam o setor.Nos amistoso pré temporada, sofreu 3 derrotas: 0x2 Rio Claro, 0x1 Inter de Limeira e 0x1 Red Bull Brasil.

O cara – Salatiel

Centroavante de muita movimentação, vem de 2 boas temporadas no Juazeirense da Bahia. Tem muito faro de gol.

Figurinha Carimbada – Mazinho

Jogador muito rodado, já defendeu América e Tombense. Meia de boa mobilidade, chega bem na área adversária. Foi bem no Botafogo PB em 2018, antes de ir jogar na Indonésia.

Olho em – Leleco

Atacante de muita velocidade, joga quase como um ponta direita das antigas. Com vasta passagem pelo interior paulista (Velo Clube, Botafogo, Sertãozinho, Linense, etc), deve ser o responsável por puxar os contra ataques.

O que pode ajudar: O time tem boas peças; o clube é organizado e tem boa infraestrutura. Ito Roque é excelente treinador (assim como seu auxiliar Valteir Gomes) e costuma ter o grupo “na mão”.
O que pode atrapalhar: A tabela foi duríssima para a Caldense. São só 5 jogos em casa (sendo 2 contra Atlético e América). Joga 3 dos 4 últimos jogos como visitante. Além disso, a torcida de Poços não é exatamente das mais “quentes” do estado. Não costuma ter muita paciência com o time nos momentos ruins.

Palpitômetro
Caldense deve brigar na parte de cima da tabela. Se o time der liga, pode dar muito trabalho aos favoritos. Possivelmente estará entre os 8 classificados para as 4as de final.

Guarani (Divinópolis)

 Campeão do Módulo II em 2018, o Bugre divinopolitano volta á elite do estado cheio de moral. Sob o comando do presidente Vinicius Morais (mais jovem do campeonato), o time espera reviver seus momentos de glória. O técnico é Gian Rodrigues (46 anos, que permanece no clube). O goleiro é Leandrão (33 anos, ex-Boa, remanescente de 2018), atleta sereno e muito seguro, é um dos destaques do time. O jovem Neto (23 anos, ex-Araxá) é um bom reserva. Ambos terão a sempre competente e instrutiva orientação do grande Ronaldinho Gontijo, treinador de goleiros de 1ª qualidade. Na zaga, vale a pena observar Guilherme Ferreira (19 anos, ex-base do Cruzeiro), muito bom no jogo aéreo. Os experientes Paulão (33 anos, ex-América RN), Élder (33 anos, ex-Democrata SL) e Reniê (29 anos, ex-Santo André SP) são zagueiros rebatedores. Léo Rodrigues (27 anos, ex-Vila Nova GO) pela direita e Vitão (24 anos, ex-Tubarão SC, jogador muito forte fisicamente) pela esquerda, são os laterais. O meio campo tem muitas (e boas opções). Douglas Dopô (25 anos, ex-América) é volante de boa técnica e saída de bola. Alemão (30 anos, ex-Uberlândia) é versátil, podendo atuar mais ofensiva ou defensivamente conforme a necessidade. Foi um dos destaques do time em 2018. Os homens de criação são todos muito bons. Charles (26 anos, ex-Mamoré) e Leomir (30 anos, ex-URT) são jogadores mais agudos, enquanto Ewerton Maradona (36 anos, ex-Caldense) será a cabeça pensante da equipe. Ambos tem muita qualidade técnica. Na frente, o paulista Douglas (26 anos, ex-América TO) e Pedro Felipe (24 anos, artilheiro do time em 2018) são os homens de referência. Paulo Morais (27 anos, outro campeão pelo clube em 2018) e o jovem Diego Silva (21 anos, prata da casa) são boas opções. Nos amistoso pré temporada, empatou com o Betinense sub20 por 0x0, venceu América TO sub20 por 3×0, América sub20 por 2×1, perdeu para o Cruzeiro sub20 por 2×4 e empatou 0x0 contra o Athletic SJDR.

O cara – Leandrão

Goleiro muito experiente, Leandrão é sinônimo de segurança e regularidade. Sai bem do gol e tem como característica a boa colocação. Foi peça chave na conquista do Módulo II em 2018. Defende pela 4ª vez o Guarani.

Figurinha Carimbada – Ewerton Maradona

Aos 36 anos, o veterano Ewerton Maradona vai defender seu 9º clube em MG. Revelado pelo Atlético, foi durante muitos anos referência de qualidade da Caldense. Não tem mais tanto fôlego, mas sua canhotinha, continua perfeitamente calibrada.

Olho em – Douglas

Centroavante revelado pelo Paraná, o paulistano Douglas vem de 2 boas temporadas por América TO e Penapolense. Começou muito bem na pré temporada. Jogador de muita força, tem boa presença na área.

O que pode ajudar: A torcida é fanática e transforma o Farião em um inferno para os adversários. O time é “cascudo”, com muita gente experiente que não vai tremer nos momentos decisivos. Gian Rodrigues conhece bem o campeonato e conta com alguns jovens promissores. A bola parada de Ewerton Maradona é uma arma mortal.
O que pode atrapalhar: Mesmo tendo um elenco bem montado, o Guarani carece de boas peças de reposição em alguns setores. Dependendo da formação no meio campo, o time pode ficar muito lento e sem força na recomposição defensiva.

Palpitômetro
Embora o objetivo principal seja se manter na divisão de elite, o Bugre pode alçar voos mais altos. Pode até beliscar uma vaga na Serie D.

Patrocinense (Patrocínio)

A volta do CAP á elite em 2018 foi melhor que o esperado. Além de se classificar para as 4as de final, o time ainda conquistou uma vaga na Serie D. Esse ano, as coisas não começaram tão bem. O técnico Rodrigo Fonseca, que participou da montagem do elenco, deixou o clube já na pré temporada. A solução foi recorrer a Wellington Fajardo, que já comandara a equipe em 2018. Treinador sério e competente, costuma montar esquemas defensivos muito consistentes. Terá o valioso auxílio do competente preparador físico Dener Azevedo. O elenco tem jogadores altamente técnicos como Dedê e atletas tarimbados como Bruno Moreno e Johnathan MOC. No gol, Cleysson (25 anos, no clube desde 2016) e o catarinense Julio Cesar (30 anos, ex Brusque)devem brigar pela posição. Angelo (30 anos, outro remanescente de 2018) é lateral direito muito firme na defesa. A zaga tem o xerifão Juninho (28 anos, ex-Araxá) e Diegão (31 anos, ex-URT), além de Betão (27 anos, ex-Moto Club MA). Todos zagueiros que chegam junto mesmo. Na lateral esquerda, a versatilidade de Jhonathan Moc (28 anos, ex-Caldense), que também pode atuar como volante ou meia, é uma das armas do time. Os volantes Bruno Menezes (22 anos, ex-Salgueiro PE) e Davi Lopes (26 anos, ex-Linense SP) são homens de contenção. Assim como Arílson (25 anos, ex-Athletic), jogador com excelente poder de marcação. Já Bruno Moreno (32 anos, ex-Araxá) é jogador bem mais técnico, que também pode atuar mais á frente. Os homens de criação são Leandro Oliveira (31 anos, ex-Comercial MS) e o canhoto Fernando (32 anos, ex-Democrata GV), que fez ótimo mineiro em 2018. O craque do time é Dedê (25 anos, ex-base do Goiás e Corinthians), jogador extremamente criativo, que convive com alguns problemas extra campo. No ataque, o experiente Gabriel Barcos (0 anos, ex São Bento) é matador nato e será o homem de referência. Pavani (22 anos, ex-Linense) se destacou na pré temporada. Val Barreto (32 anos, ex-Moto Club MA) também é centroavante. Terão a companhia de Toni Galego (31 anos, ex-Ferroviário CE) e Otacílio Marcos (23 anos, ex-Fortaleza). A opção de mobilidade é o versátil Felipe Alves (28 anos, ex-URT). Nos amistosos pré temporada, empatou 1×1 com o Rio Preto, venceu o Barretos por 1×0 e perdeu 0x1 para o CAP Uberlândia.

O cara – Dedê
Wanderson Mourão, o Dedê é um meia armador clássico, muito talentoso. Conviveu com vários excessos e problemas extra campo. Vai para sua 4ª temporada no CAP. Se mantiver a cabeça no lugar, é jogador para time grande. Tecnicamente diferenciado.

Figurinha Carimbada – Bruno Moreno

Revelado na base do São Paulo, Bruno Moreno criou raízes em Minas. O CAP (que defende pela 2ª vez) é seu 6º clube no estado. Meia direita de ótima técnica, distribui bem o jogo e sabe ditar o ritmo de jogo como poucos.

Olho em – Juninho
Zagueiro revelado no Jacutinga, no sul de Minas, participou do acesso do CAP em 2017 e também foi bem no Araxá. Muito firme no mano a mano, tem boa impulsão e força no jogo aéreo.

O que pode ajudar: A torcida do CAP é muito participativa e costuma transformar o acanhado estádio Julio Aguiar em um Alçapão. O técnico Wellington Fajardo conhece o clube e conta com vários remanescentes da boa campanha de 2018. O time tem jogadores rodados e que conhecem bem o campeonato.
O que pode atrapalhar: O embora conte com algumas boas opções, elenco tem carências em algumas posições. Falta um goleiro mais “rodado” que dê segurança ao time. Assim como um pouco mais de opções de velocidade no ataque.

Palpitômetro
O objetivo principal é se manter na divisão de elite. Se conseguir repetir a boa campanha de 2018 (7º lugar), já estará de bom tamanho. O que não será tão difícil. Conseguir novamente uma vaga na Serie D, seria espetacular.

Tombense (Tombos)

Disputando seu 7º Módulo I consecutivo (e consolidado na Série C do Brasileiro), o Tombense surge sempre como uma das forças do interior. Muito bem administrado por Lane e Leandro Gaviole (presidente e diretor), o clube tem parceria duradoura e vitoriosa com o empresário Eduardo Uram. O técnico é Ricardo Drubscky, que após um período de 2 anos na diretoria do América, retorna ao banco de reservas. Conhece muito de futebol, embora não tenha conseguido bons resultados ultimamente. A grande estrela do time é Juan, experiente lateral com passagem por grandes clubes e futebol inglês. No gol, Felipe Garcia (31 anos, ex Santos) é garantia de segurança. Paulo Victor (26 anos, ex-base do Atlético) vai para 5ª temporada no clube e é um bom reserva. A defesa tem o xerife Reynaldo (22 anos, ex-Ponte Preta), zagueiro de muito bom nível. Lincoln Silva (22 anos, ex-base do Flamengo) e o jovem Renato Vischi (20 anos, ex-base do Fluminense) também compõem a zaga. Os laterais Bruninho (25 anos, ex-Boa) e David (26 anos, ex-Náutico) são remanescentes de 2018. Ambos são extremamente regulares. Bruno Ferreira (24 anos, ex-Red Bull) pela direita e Vicente (23 anos, ex Sport Recife) pela esquerda, são opções de suplência. Guilherme Dantas (30 anos ex-Vasco e Atlético) foi inscrito no BID; se ficar no clube, fortalece demais. No meio, Natan (23 anos, ex-base do Santos) é homem de marcação. Os jovens Vander (20 anos, ex-base do Cruzeiro) e Matheus Santiago (23 anos, ex-base do Grêmio) saem mais para o jogo. Juan (36 anos, ex-Flamengo) é o destaque. Jogador diferenciado tecnicamente, começou como lateral esquerdo, mas vem atuando (bem) como meia armador. Comandou o acesso do CSA na série B em 2018. O jovem Everton (21 anos, ex-Vila Nova GO) vai para sua 3ª temporada em Tombos. É muito bom jogador; rápido e ofensivo. Lucas Sá (23 anos, ex-Avaí) também é meia ofensivo. Matheus Trindade (22 anos, ex-Ceará e futebol da Índia), Abner (23 anos, ex-Marcílio Dias SC) e Rodrigo Vasconcelos (24 anos, ex-Atlético GO) completam o setor. Na frente, Ricardo Jesus (33 anos, ex-Juventude) é o homem gol. O garoto Denilson (20 anos, ex-Campinense) se destacou nos jogos preparativos. Cássio Ortega (27 anos, ex-Salgueiro PE) e Polaco (25 anos, ex-Atlético AC) também permanecem na equipe.O primeiro joga mais aberto pela esquerda; o acreano joga mais pela direita. Rafinha (21 anos, ex-Ceará) também é ótima opção de velocidade. Nos amistosos pré temporada, perdeu 0x3 para o Goytacaz-RJ, venceu o Estrela do Norte ES duas vezes por 2×0 e empatou 0x0 com o Atlético Itapemirim.

O cara – Juan

Jogador de muita qualidade técnica, Juan viveu momentos de glória no Flamengo, Fluminense, São Paulo e Arsenal ENG. Jogador de ótima visão de jogo, vem atuando como armador nos últimos anos.

Figurinha Carimbada – Felipe

Goleiro revelado no Santos, Felipe viveu bons e maus momentos em Avaí, Portuguesa, Náutico, Fluminense, Atlético GO e CSA. Goleiro de muita explosão, espera reencontrar os melhores dias no Tombense.

Olho em – Everton
Jogador de força e movimentação, Everton é um meia moderno, que contribui na marcação e chega com muita facilidade ao ataque. Conduz muito bem a bola.

O que pode ajudar: Tombense usualmente monta bons times, mesclando jovens talentosos com jogadores mais tarimbados. Será a 1ª vez desde 2015 que o sofrível Darley não estará no gol do Gavião Carcará. O time tem dono; o que significa que em Tombos, a corneta não toca.
O que pode atrapalhar: Tombense tradicionalmente aposta em técnicos (Pingo, Raul Cabral, Ramon Menezes) com pouca projeção. Ricardo Drubscky conhece muito e futebol (isso é inquestionável), mas carece de resultados mais concretos nos últimos anos. A parceria com Eduardo Uram segue firme; para o bem e para o mal.

Palpitômetro
Tombense é sempre um dos candidatos ao título de campeão do interior. Em 2019 não será diferente. Deve dar muito trabalho aos grandes da capital; especialmente se puder atuar no Almeidão, em Tombos.

 

Tupi (Juiz de Fora)

Atual campeão mineiro do interior, o Tupi vive sérias dificuldades financeiras e as perspectivas não são boas. Vindo de um rebaixamento no brasileiro da serie C, a principal missão do Galo Carijó será se manter na elite mineira. O técnico é novamente o carioca Ailton Ferraz (ex-meia de Flamengo e Grêmio), que fez bons trabalhos no clube em 2017 e 18. No gol, permanece o experiente Vilar (34 anos), no clube desde 2017. Foi um dos destaques do time no Mineiro do ano passado. A defesa está bem servida. Aislan (31 anos, ex-São Paulo) comanda a zaga, que tem ainda Arthur Sanches (30 anos, remanescente de 2018) e Thiago (21 anos, ex-base do Santos). O bom lateral direito Afonso (30 anos, ex-base do Cruzeiro) é outro que permanece no clube. Na esquerda, o jovem Emerson (20 anos, emprestado pelo Santos) deve ser o titular. Leandro Brasília (31 anos, ex-Remo) volta ao clube; volante de boa qualidade técnica e muita movimentação, é o líder da equipe. Eduardo Nardini (21 anos, ex-Ituano) é jogador de mais marcação. Marcus Molinari (22 anos, ex-Villa Nova) é meia atacante de muita qualidade; é filho de Marinho, ex-artilheiro e ídolo do Atlético. Hugo Rodrigues (25 anos, ex-Barretos SP) e Fábio Henrique (21 anos, ex-base do Inter) são os meias de criação. Na frente são várias boas opções. Hugo Ragelli (23 anos, ex-Cruzeiro) e Daniel Morais (32 anos, ex-América) são jogadores de área. Vitinho Safadão (22 anos, ex-América) e o jovem Saulo (21 anos, ex-Uberlândia) são atacantes de mais movimentação. Anderson Chub (20 anos, ex-base do Santos) completa o ataque. Nos amistoso pré temporada, perde 0x1 Volta Redonda e empatou 2×2 com o Nacional de Muriaé.

O cara – Leandro Brasília

Jogador de ótimo passe e bom poder de marcação, é um volante extremamente regular. Será liderança dentro e fora de campo. O termômetro do time.

Figurinha Carimbada – Daniel Morais

Revelado pelo América, Dani Gol defende o Tupi pela 2ª vez. Será seu 8º clube no estado. Em 2018, atuou pelo Villa Nova. Sofrendo com lesões seguidas nos últimos 2 anos, espera redescobrir os caminhos do gol.

Olho em – Vitinho Safadão
Após surgir como grande promessa no América, Vitinho viveu período de instabilidade no Guarani de Divinópolis e futebol eslovaco, até se reencontrar fazendo ótimo mineiro 2018 pelo próprio Tupi. Jogador de muita habilidade no pé esquerdo, faz bem a diagonal invadindo a área adversária.

O que pode ajudar: Alguns jogadores importantes (Vilar, Afonso, Leandro Brasília, Daniel Morais, Vitinho) permanecem no clube. O Tupi faz 4 das 5 partidas iniciais em Juiz de Fora. Se começar bem, pode embalar. Tem alguns jovens de potencial emprestados por grandes clubes.
O que pode atrapalhar: Embora conheça bem o clube, o técnico Ailton Ferraz carece de resultados mais consistentes. A situação financeira é ruim, o que prejudica o dia a dia do clube. Joga no estádio Mário Helênio, que quase sempre vazio, se torna um campo neutro. E faltam boas peças de reposição. E enfrenta a concorrência doméstica do emergente Tupynambás.

Palpitômetro
Dessa vez, as coisas devem ser bem difíceis para o Galo Carijó. A escassez de investimentos tornou difícil montar um elenco mais competitivo. Possivelmente o Tupi brigará pra não cair.

Tupynambás (Juiz de Fora)

Depois de ficar vários anos longe do profissionalismo, o Baeta voltou com tudo em 2016 e conseguiu ascensão meteórica com 2 acessos em 3 anos. Disputará a elite novamente após 85 anos. Comandado pela competência e sagacidade de Albertinho Simão, um dos maiores conhecedores do futebol mineiro, Tupynambás quer vir pra ficar. O técnico é o excelente Felipe Surian (37 anos, campeão brasileiro invicto da serie D pelo Volta Redonda, ex-Tupi e Villa Nova). No gol, o catarinense Renan Rinaldi (26 anos, ex-Villa Nova) é atleta de nível excepcional. Terá a oportunidade rara de aprender os mistérios da posição com o paleozóico Glayssão (39 anos e 18 clubes mineiros diferentes na carreira), lenda viva do futebol de nosso estado. Paulinho (26 anos, ex-Atletico Itapemirim) é lateral direito muito ofensivo. Na zaga, Marcelinho (35 anos, ex-Flamengo) é sinônimo de segurança e tranqüilidade. Halisson (33 anos, ex-São Bento) é zagueiro muito firme. Adriano (26 anos, remanescente de 2018) também é atleta de bom nível. Na lateral esquerda, Lucas Hipólito (23 anos, ex-Coimbra) é muito acima da média. Joga fácil demais. No meio campo, os irmãos gêmeos Léo e Leandro Salino são um diferencial positivo. Léo (33 anos, ex-Tupi) é jogador de contenção. Leandro (33 anos, ex-Flamengo e Olympiakos GRE) sai mais para o jogo. Gustavo Crecci (24 anos, ex-base do Atlético) também é um leão na marcação. Marcel (31 anos, ex-Tupi) tem mais mobilidade. A criação fica por conta de Geovanni (26 anos, ex Cuiabá), jogador muito técnico e regular. O versátil Igor Soares (23 anos, ex-Villa Nova) e Téssio (26 anos, ex-Madureira) fecham a meia cancha. No ataque, sobra experiência com Eraldo (36 anos, ex-Villa Nova) e o fóssil vivo Ademílson (44 anos, ex-Tupi). Ambos ainda conservam o raro dom de balançar facilmente as redes adversárias. Vanger (31 anos, ex-CSA) joga mais aberto, com muita força e velocidade. Vitinho (31 anos, ex-Moto Club) pela esquerda e Matheus Pimenta (26 anos, ex Uberlândia) pela direita, são as opções de velocidade. Nos amistoso pré temporada, venceu o Resende por 2×1 e empatou em 1×1 contra Boavista e Volta Redonda.

O cara – Leandro Salino

Meio campista de vasta experiência (campeão mineiro pelo Ipatinga, jogador de Champions League), Salino chegou a ser anunciado como grande reforço do Villa Nova. Mas acabou assinando com o Baeta e vai jogar ao lado do irmão em sua terra natal. Ainda tem muita bola.

Figurinhas Carimbadas – Glayssão e Ademílson

Aqui não tem jeito. Abrimos uma exceção em respeito aos 83 anos (somados) da dupla. Se um é especialista em evitar os gols, o outro ainda os faz com maestria. Mais que figuras lendárias do nosso futebol, a dupla já atingiu status de “entidades”.

Olho em – Lucas Hipólito
Lateral esquerdo tecnicamente diferenciado, Hipólito vem de ótima temporada no Coimbra. Desce com facilidade ao ataque e não compromete na marcação. Jogador de enorme potencial de crescimento.

O que pode dar certo: Tupynambás tem tudo pra dar certo. Um diretor que conhece muito de futebol; um técnico muito acima da média e um elenco bastante equilibrado, mesclando experiência e juventude. Baeta é pura empolgação.
O que pode atrapalhar: A tabela foi madrasta com o Leão do Poço Rico, que joga 4 dos 6 últimos jogos fora de casa e fecha contra o Atlético em Juiz de Fora. Terá a mesma dificuldade do Tupi em jogar no Mário Helênio vazio. Divide as atenções da cidade com o Tupi.

Palpitômetro
Tupynambás espera ser a grande surpresa do campeonato. Embora a permanência na 1ª divisão seja o principal objetivo, é bem possível que o Baeta alce vôos mais altos. Não é tão improvável que avance ás 4ªs de final.

URT (Patos de Minas)

Vindo de campanhas consistentes (foi bicampeão do interior em 2016-17) nos últimos anos, dessa vez as coisas não aprecem tão favoráveis ao Trovão Azul. O jovem Flávio Garcia não obteve bons resultados na pré temporada e voltou ao cargo de auxiliar técnico (que ocupa desde 2017). A aposta como treinador é Sidney Moraes, que tem um bom trabalho no Icasa CE em 2013. E só. Vem de um rebaixamento na Serie B com o Boa Esporte. O goleiro é o veterano Marcão (34 anos, ex-Tricordiano), muito irregular e inseguro. A defesa tem a categoria de Gladstone (33 anos, ex-Cruzeiro), sinônimo de liderança e confiabilidade. Seu parceiro de zaga deve ser Alisson Brand (24 anos, ex-Vila Nova GO) ou Ewerton (26 anos, ex-Bragantino). Nas laterais, Amaral (31 anos, ex-Palmeiras e Atlético) ainda atua em bom nível. Silva (24 anos, ex-Treze PB) deve ser o titular na esquerda. No meio campo, Derli (29 anos, ex-Juventus SP) e Diogo Orlando (35 anos, ex-Avaí) são homens de contenção, com altíssimo poder de marcação. Rodney (28 anos, ex-Tombense) e Douglas Maia (29 anos, remanescente de 2018) são meias de mais movimentação. A criação de jogadas ficara a cargo do experiente Cascata (36 anos, ex-América RN), que volta ao clube. É jogador muito acima da média tecnicamente. Na frente as opções são muitas. Kaio Wilker (25 anos, ex-América) busca se recuperar de seguidos problemas físicos. Bruno Aquino (27 anos, ex-Araxá), Jonathan (27 anos, ex-Tupi) e Reis (30 anos, ex-Cruzeiro) são todos centroavantes de área, finalizadores por excelência. Carrara (24 anos, ex-Villa Nova) é atleta de muita velocidade pela direita, além de ajudar muito na marcação. Nos amistoso pré temporada, venceu o Uberlândia Sub20 por 3×0 e perdeu duas vezes (0x1 e 0x2) para o Paracatu.

O cara – Gladstone

Zagueiro de muita qualidade técnica, com passagens pela Juventus ITA e Seleção Brasileira, Gladstone é jogador muito regular. Será o líder dentro e fora de campo dessa equipe.

Figurinha Carimbada – Kaio Wilker
Atacante de muita mobilidade e qualidade nas finalizações, Kaio surgiu com grande promessa no América em 2012. Depois de sofrer várias contusões, rodou por Democrata GV, Tupi, Remo, Aparecidense GO, etc, sem conseguir destaque. Espera retomar seu bom nível na URT.

Olho Em – Bruno Aquino
Centroavante de raça e determinação, o sulmatogrossense Bruno Aquino tem muita presença de área. É ótimo finalizador.

O que pode ajudar: Trovão Azul faz 6 jogos em casa (5 deles contra times do interior). Tem jogadores muito experientes (Gladstone, Amaral, Cascata, etc). A torcida é fanática e empurra o time no Zama Maciel.
O que pode atrapalhar: Sidney Moraes não é exatamente o que se pode chamar de “cascudo”. Não é o perfil de treinador adequado a um clube aguerrido como a URT. Marcão é goleiro de nível questionável, muito limitado tecnicamente, pode comprometer. Até o início do torneio, o clube não tinha conseguido liberar seu estádio; se tiver que jogar no Bernardo Rubinger (casa do rival Mamoré), perde muita força.

Palpitômetro
URT é sempre candidato a fazer boas campanhas. Perdeu 2 acessos á Serie C do brasileiro nos pênaltis. Deve se classificar entre os 8 finalistas. Mais que isso já será lucro.

Villa Nova (Nova Lima)

Vacinado por 2 campanhas terríveis nos últimos anos (escapou por pouco do rebaixamento), o Leão do Bonfim promete vir mais forte em 2019. Sob o comando do presidente Márcio Botelho (em seu 2º mandato) e do diretor Pedrinho Cirino, o time vem totalmente reformulado. A grande (e arriscada) aposta é o jovem técnico Fred Pacheco (27 anos, ex-Betinense), dirigindo pela primeira vez um clube no Módulo I. No gol, Georgemy (23 anos, ex-Cruzeiro e Seleção Brasileiro na base), é atleta de excelente nível. O jovem Alex (20 anos, ex-América) é um bom suplente. Luís Felipe (27 anos, ex Palmeiras e Benfica POR) é lateral direito muito forte fisicamente. Terá a sombra do jovem Elivélton (22 anos, ex Valério). Na esquerda, Danillo Ribeiro (25 anos, ex-Treze PB) fez ótimo brasileiro em 2018. Eron (26 anos, ex-Atlético) também é boa opção. Na zaga, Rafael Vitor (26 anos, ex-Atlético) volta ao clube. Deve fazer ótima dupla com Gabriel (35 anos, ex CRB). Marquinhos Lopes (27 anos, ex-Betinense) não mantém o mesmo nível dos titulares. O prata da casa Gustavo França (22 anos), inexplicavelmente, teve poucas oportunidades. No meio campo, a força do volante Roger Bernardo (33 anos, ex-Atlético), com 10 temporadas no futebol alemão (Energie Cottbus e Ingolstadt), merece destaque. Denílson (30 anos, ex-Valério) também é volante de muita pegada. Ramires (31 anos, ex Goiás) tem mais facilidade para sair pro jogo. Já Eurico (24 anos, ex-Cruzeiro) é jogador acima da média tecnicamente. Tenta se recuperar de seguidas lesões. A construção de jogadas fica por conta de Luis Fernando (30 anos, ex-Cruzeiro e Guarani), armador muito talentoso. Renato Bruno (24 anos, ex-América) é jogador de mais movimentação. O canhoto Leônidas (23 anos, ex-Goiás), volta ao clube. É um armador clássico, conhecido como “o Bruto de Hong Kong”. O jovem Yuri (20 anos, prata da casa) foi um dos destaques do time em 2018. É muito acima da média, podendo atuar como 2º volante ou meia esquerda (onde rende mais). Hiwry (22 anos, ex-base do Atlético) fecha o setor. No ataque, o velocista Cassiano (30 anos, ex-Tupynambás) joga aberto pela direita. Para abastecer Elias (31 anos, ex-Botafogo e Juventude), Diney (27 anos, ex-Caldense) ou Bruno Cantanhede (25 anos, ex-base do São Paulo). O jovem Felipinho (20 anos, cria da base) é a grande aposta do clube. Foi muito bem em 2018 e volta de empréstimo do Bahia. É extremamente rápido e letal nas finalizações. Pinguim (19 anos, também prata da casa) é atacante muito habilidoso e driblador. André (21 anos, também da base) e Igor (21 anos, ex-base do Santos) completam o ataque. Nos amistoso pré temporada, venceu o Atlético Sub20 1×0, América Sub20 2×1 e Ipatinga 1×0.

O cara – Rafael Vitor

Zagueiro revelado no Atlético, se destacou no Villa na Serie D 2017 e Mineiro 2018. Tem boa técnica e boa saída de bola. Vai muito bem no jogo aéreo (tem 1,96m) e costuma fazer gols.

Figurinha Carimbada – Roger Bernardo

Depois de jogar 10 anos na Alemanha, o volante Roger Bernardo chegou ao Atlético e não teve muitas chances. Jogador de força e marcação, acrescenta muita experiência ao Leão do Bonfim.

Olho em – Felipinho
Destaque das categorias de base, Felipinho foi o artilheiro do clube em 2018 com 4 gols. Atacante extremamente ágil, é muito liso e conclui muito bem as jogadas.

O que pode ajudar: A tabela foi extremamente favorável ao Villa. Jogará 6 vezes em casa (pelo 3º ano consecutivo). O time tem muitos jogadores experientes, acostumados á pressão. O mítico Alçapão do Bonfim ainda aterroriza os adversários (o Atlético perdeu lá em 2018). Fred Pacheco é o mais jovem treinador do Módulo I. Vai encarar o Villa como sua maior chance na carreira até agora.
O que pode atrapalhar: O técnico Fred Pacheco é muito jovem, e pode ter dificuldades em administrar um grupo mais “cascudo”. Falta um zagueiro de bom nível para compor o grupo. A torcida anda ressabiada com o time e não costuma encher o estádio. O ambiente político e administrativo do clube é quase sempre conturbado, o que certamente acaba se refletindo no campo.

Palpitômetro
O Leão espera rugir forte em 2019. Mais que escapar do descenso, o objetivo é conseguir uma das vagas da serie D, o que não conseguiu em 2017 e 18.

Veja também
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios