Publicidade

Blog do Leo Lasmar – Cuca x Hulk! Quem será o “Superman” que irá resolver a questão?

Postado em 25/04/2021 10:00

O Atlético fez, nesse sábado, o oitavo jogo sob comando de Cuca. Dessa vez, com um time completamente reserva, poupando titulares para a Libertadores, venceu o Athletic por 1 a 0 no Independência. Venceu, mas não convenceu. A falta de desempenho, inclusive, tem se repetido. Com reservas ou titulares, o time não tem produzido. E, como se não bastasse os problemas técnicos e táticos, o sábado escancarou um problema de ambiente.

Na saída de campo, Hulk reclamou publicamente, em entrevista, sobre a falta de confiança e de sequencia de jogos. Citou Cuca nominalmente e disse que fica difícil render sem minutos para desenvolver seu futebol, especialmente considerando que retornou ao Brasil há pouco tempo. Cuca, na coletiva, respondeu em tom mais ameno, mas deu o recado ao dizer que, para dar sequência a qualquer jogador, precisa de “respaldo”.

Advertisement

Independentemente de quem está certo, fica claro que há, no mínimo, um ruído, um incômodo entre o reforço mais badalado do Atlético no ano (jogador de Copa do Mundo, que veio com um salário alto para os padrões brasileiros) e o treinador.

Segundo se apurou, conversas sobre o aproveitamento de Hulk, entre o jogador e o comandante, em tom de insatisfação, já vinham acontecendo nas últimas semanas. Não foi a primeira vez. Mas foi a primeira vez exposta nos microfones, nas câmeras, ao vivo.

Não dá para dizer que isso é 100% natural e que não gera nenhum impacto no ambiente. Desgaste entre atleta e treinador acontece, sim, e já aconteceu com o próprio Cuca outras vezes, inclusive no próprio Atlético, na primeira passagem. O técnico é experiente e tem vivência suficiente para superar. Mas, inegavelmente, é um problema a mais num Atlético que já tem, hoje, problemas demais.

O time tem sido muito pobre taticamente. Pouca variação e, dentro do que se propõe a fazer, pouca eficiência. Algumas escolhas de atletas são questionáveis (Tchê Tchê “chegar titular” e Zaracho no banco, por exemplo). A transição defensiva é muito lenta. A ofensiva também. As combinações entre meio-campo e ataque são muito falhas. É possível citar vários outros problemas. Agora, mais esse: uma das estrelas do elenco revelou insatisfação com seu aproveitamento pelo comandante.

O curioso é que o Atlético está num cenário em que consegue, mesmo vencendo, aumentar a pressão sobre o treinador

Terça tem Libertadores e, se Cuca esperava chegar ao Mineirão um pouco mais tranquilo após o jogo de sábado, vai acontecer o contrário. Após o desempenho ruim do Galo na Venezuela, vencer o América de Cali é quase uma obrigação.

E as dificuldades para alcançar esse objetivo estão, a cada dia que passa, mais evidentes. A volta por cima é possível, mas parece ainda não ter começado.

Para não passar batido, uma rápida análise sobre Athetic 0 x 1 Atlético. Muito boa partida de Igor Rabello, que já merece, no mínimo, ameaçar a titularidade de Réver, que foi mal na Venezuela. Outro bom jogo de Dodô, que está no banco simplesmente por disputar posição com o melhor lateral do país em 2020: Guilherme Arana.

Na direita, Mariano teve bons e maus momentos, mas marcou o gol da vitória. O meio-campo não funcionou. Na frente, Sávio e Marrony tiveram lampejos.

Hulk, o protagonista das manchetes de sábado, até se movimentou bem como centroavante, no primeiro tempo, mas ainda está, indiscutivelmente, muito longe de ser o jogador que pode ser. A reclamação para mais minutos em campo é justa? Cabe discussão. Mas os números são esses: desde a chegada a BH, são 572 minutos em campo (sem contar acréscimos) e um gol (de pênalti). Independentemente da sequência e de titularidade, Hulk pode mais.

Por Guilherme Frossard- GE

 

Comente! *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Publicidade
Veja também
Publicidade
Publicidade
Publicidade
plataforma ead
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!