Publicidade

Blog do Leo Lasmar

Blog do Leo Lasmar – Cruzeiro virou roteiro de filme: ” A espera do milagre”

Postado em 20/12/2020 12:56

O jogo do Cruzeiro, outra vez, foi marcado pela pobreza da criação do time. Já vinha sendo assim em partidas anteriores, mas com a diferença de que o time vinha tendo êxito nos confrontos. Diante do Avaí, encontrou o gol nos minutos finais da primeira etapa, mas depois abdicou do ataque na segunda etapa, ficando na defesa. Chamariz para o adversário, que tentou, tentou, e marcou aos 48 do segundo tempo. Vai ser difícil impedir outra tragédia na história do clube: repetir a Série B no ano do centenário.

Com 40 pontos e na décima colocação, o Cruzeiro tem mais 24 pontos a disputar. Segundo cálculos do departamento de matemática da UFMG, para superar os 90% de chances de subir, é preciso fazer 21 pontos, ou seja, sete vitórias em oito jogos. Improvável, não impossível, logicamente.

Advertisement

Por esse panorama, vê-se que o Cruzeiro precisará de uma façanha nas próximas oito rodadas para não se ver num novo pesadelo. Nunca nenhum time que disputou a Série B conseguiu sair da posição atual do Cruzeiro e chegar ao G-4 no final do torneio. Novamente: (muito) improvável para o Cruzeiro, mas não impossível.

Apesar de ainda ser factível, o futebol mostrado pelo Cruzeiro e a estratégia após marcar o gol contra o Avaí não passam a impressão que a ambição não é pelo acesso.

Conquistar 42, 43 pontos para se salvar do rebaixamento e recomeçar em 2021 com, aí sim, o discurso de que vai subir. Aliás, o acesso se tornará impositivo em 2021. Era obrigação esse ano.

Diante do Avaí, o time produziu pouco no primeiro tempo, sofrendo mais do que fazendo sofrer. Chegou ao gol nos minutos finais, em uma chegada surpresa de Filipe Machado. Foi só. Depois, o Cruzeiro abdicou de atacar. No segundo tempo, deu um chute a gol e, sem tanto perigo, com Marcelo Moreno.

Arthur Caíke, Giovanni, Moreno e Welinton. Quatro substituições ofensivas. Mas nenhuma se traduziu em mais força no ataque. A intenção, ao que parece, foi dar força para a marcação pelos corredores. O Cruzeiro não procurou o gol no segundo tempo e chamou o Avaí para seu campo de defesa.

Mesmo carecendo também de qualidade ofensiva, o Avaí chegou com perigo e achou um gol no final com uma sequência de erros no lance. Primeiro a falta de Patrick Brey, na intermediária. Segundo: Patrick Brey não acompanhou Edilson, que cruzou com certa liberdade. Terceiro: Cáceres, que estava com Valdívia, se preocupa com a movimentação de Rodrigão (outro livre na área) e acaba deixando o meia sozinho. Gol.

O resultado de 1 a 1 é fruto de um time que não quis fazer o segundo para “matar o jogo”. Preferiu se defender do que tentar garantir o resultado. Castigo para quem vinha tendo essa estratégia com êxito. Castigo para um ano com uma série de erros na montagem do time, na administração do futebol e nas montagens e desmontagens. O Cruzeiro não faz por merecer, com esse futebol, a volta à Série A.

 

Publicidade
Veja também
Publicidade

Noticias relevantes:

<
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios

No blog do Leo Lasmar você ficará por dentro do que está acontecendo no futebol brasileiro e do mundo, principalmente dos times mineiros: Atlético e Cruzeiro, sem esquecer, claro, do nosso Guarani de Divinópolis.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
error: Este conteúdo é protegido!