Bruno Quirino conta a emoção de ver o título do Galo na Libertadores 2013

Postado em 11/09/2018 18:23

 
Vi a Vida Passar Diante dos Meus Olhos
 
 
Assim como o sujeito que está à beira da morte vê em segundos um resumo da sua vida, eu assisti os melhores e piores momentos da minha existência futebolística.
 
Similar ao homem que olha para o cano da arma que lhe explodirá os miolos, mirei o gol do lado da cidade, onde eram cobrados os pênaltis. 

Quando Miranda caminhou para a primeira cobrança, lembrei do jogo contra o Fortaleza, em 2005, quando perdemos com falhas daquele que depois seria um dos grandes goleiros da nossa história e, na prática, encaminhamos o rebaixamento. 

Mas Victor defendeu e eu acreditei. 

Na caminhada ameaçadora do Alecsandro, voltei à Arena do Jacaré, em 2006. Não bastasse estarmos iniciando o ano da Série B, levamos 3 x 0 do Democrata. 

Mas a bola entrou e eu continuei acreditando. 

Quando Ferreira fez o primeiro do Olímpia, lembrei do gol do Marcelinho em 1994, quando sentei pela única vez nas cadeiras cativas do Mineirão e vi o Galo vencendo pra ser desclassificado no jogo seguinte. 

Aí veio o gol do Guilherme, pra espantar este fantasma. 

Em seguida, quando o zagueiro Candia bateu mal e mesmo assim fez o gol, lembrei do Márcio Mexerica, do Catanha, do Ronildo, do goleiro Luiz Henrique, do Fernando Kanapkis e de uma vasta legião de pernas-de-pau que veio aqui nos enganar. 

Estes cretinos só desapareceram quando Jô fez o seu, num chute perfeito. 

Mas com o chute de Aranda no meio do gol, recordei a maldita SeleGalo de 94, com Luiz Carlos Winck, Neto, Darci, Gaúcho e o já acabado Renato Gaúcho. 

E esqueci este bando de exploradores com o chute de Leonardo Silva, fazendo o nosso quarto. 

Assim que Gimenéz caminhou para a marca fatal, eu fiquei pensando nas tantas semi-finais de Brasileirão que disputamos e perdemos, no inacreditável vice-campeonato invicto, nas desclassificações para timecos ridículos como o Brasiliense. E também no gol do Mário Tilico em 1991 (meu primeiro jogo na arquibancada do Mineirão), que serviu pra permitir o São Paulo jogar pelo 0 x 0 no jogo de volta e disputar a final do Brasileiro contra o Bragantino. 

E aí, companheiro, o mundo futebolístico que eu conhecia acabou. Porque o Olímpia perdeu o pênalti e o Galo foi campeão da Libertadores.  

O final infeliz de toda história da bola atleticana mudou. 

Eu atravessei um portal. Queria mesmo era sair voando por cima daquele povo todo e arrancar lá das profundezas de mim o grito mais alto que um homem pudesse produzir. 

Olhei pro lado e abracei gente que chorava muito. Foi aí que percebi que eu também jorrava lágrimas. 

Abracei um amigo da vida e um monte de amigos daquele momento eterno. 

Descobri, naquele instante, a cura da melancolia. 

Fui campeão de corpo presente e alma lavada. 

 
Bruno Quirino conta a emoção de ver o título do Galo na Libertadores 2013

Bruno Quirino, ao centro, comemorando o título atleticano na inesquecível Libertadores 2013.

 
O divinopolitano Bruno Quirino é atleticano de coração. A partir de hoje, inaugura, o Blog do Atleticano, no Portal MPA.
 
 
 
 

Veja também
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios
WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Real Time Web Analytics