Mãe entrega celular ‘velho’ e ladrão se vinga estuprando a filha dela

Postado em 18/05/2017 22:36

Uma adolescente de 14 anos foi estuprada durante um assalto em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, nessa quarta-feira (17), depois que o ladrão se irritou com o celular de modelo antigo entregue pela mãe da garota durante a ação. Ao tentar defender a enteada, o padastro foi baleado.

De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar, os três saíram de casa, no assentamento Bom Jesus, para uma caminhada, como fazem todos os dias.

Após passar pelo Anel Viário, a família foi em direção à avenida Aldo Borges Leão, quando um motociclista passou pelos três e apagou o farol do veículo. Ele andou por mais alguns metros e retornou segurando uma arma.

Totalmente agressivo, e com sinais de embriaguez, o ladrão ordenou que a mãe da menina entregasse o celular. Foi nesse momento que o criminoso se irritou ao receber o aparelho.

Ele mandou que a mãe e o padrasto da adolescente fossem para trás de um muro e sentassem de costas. Em seguida, levou a garota para um local mais ermo e ordenou que ela tirasse o short.

Armado e ameaçando a menor de morte, ele começou a estuprá-la. A menina chegou a gritar, o que provocou o desespero da mãe, que começou a chamar por socorro. Com medo que a enteada fosse morta, o homem tentou acalmar a companheira.

Ele se aproximou da menina e do estuprador e, aproveitando-se de uma distração do bandido, pegou um pedaço de pau e atingiu a cabeça do suspeito.

Durante a confusão, o ladrão fez três disparos, atingido o padrasto da estudante duas vezes no braço e axila direita. Em seguida, fugiu sem levar nada. As vítimas foram socorridas por populares e encaminhadas à Unidade de Atendimento Integrada (UAI). O padrasto foi transferido para o Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU), onde segue internado sem previsão de alta médica.

Próximo à casa da família, foi encontrada uma espingarda de chumbinho suja de sangue. Os moradores do imóvel informaram desconhecer a origem da arma. Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Civil, as vítimas devem ser ouvidas nos próximos dias e a espingarda passará por perícia.

O estuprador não foi identificado e nem localizado.

Reportagem de Carolina Caetano para o Jornal “O tempo”

Veja também
Comentários *Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. comentarios
%d blogueiros gostam disto: